«Até a» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Até a»

Parabéns, equipa do Ciberdúvidas, pelo excelente trabalho realizado em defesa da língua portuguesa!

Gostaria de ser esclarecido relativamente ao uso em Portugal de «até a» quando seguido de artigo definido, ex.: até ao mar/ao dia de hoje/à vista/à porta. Relativamente à função gramatical, penso que teria mais sentido prescindir do a, ou seja, até o mar/o dia de hoje etc. Terá que ver com o facto de se pretender distinguir de outras frases em que até é usado com o significado de «inclusivamente»?

Miguel Oliveira Investigador científico Porto, Portugal 6K

Gratos, antes de mais, pelos generosos cumprimentos.

Quanto à pergunta, a explicação de «até a» é histórica, por fixação no uso. Por outras palavras, trata-se de uma locução que globalmente é equivalente a até (preposição) e que não permite uma análise composicional, isto é, termo a termo, o que significa que, ao contrário do que se pretende na pergunta, não há que atribuir função gramatical especial à preposição a.

Vale a pena citar a nota de uso que o Dicionário Houaiss dedica a até (mantém-se a grafia original; desenvolveram-se as abreviaturas):

«como preposição, é indiferentemente correto associá-la ou não a outra preposição (ir ao parque ou ir até ao parque; caminhar até a igreja ou até à igreja), embora, por vezes, se imponha tal escolha para evitar a ambigüidade: numa frase do tipo estudei até a quinta lição, o até poderia ser entendido tanto como preposição quanto como advérbio, daí ser conveniente colocar crase quando for preposição; em percorremos até o campo tanto se poderia entender como "até mesmo o campo" ou "até o limite do campo"; atualmente, é mais comum em Portugal o emprego associado à preposição a, enquanto no Brasil as utilizações pendulam; historicamente, até o século XVII, usou-se na língua apenas até; nesse mesmo século foi que começou a surgir até a, com o artigo feminino (até à, até às), e posteriormente com o artigo masculino (até ao, até aos); grandes escritores dos séculos XIX e XX alternaram o emprego do até preposicionado com o até sem preposição, por vezes na mesma obra (Machado de Assis, por exemplo) [...].»

Carlos Rocha
Classe de Palavras: locução