A substituição do itálico e do negrito num texto manuscrito - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A substituição do itálico e do negrito num texto manuscrito

Muito obrigada pelo magnífico trabalho que levam a cabo.

Gostaria de saber como se deve substituir o itálico e o negrito num texto escrito à mão.

Li algures que se pode substituir o itálico pelo uso de aspas, dado que o objetivo é o mesmo: destacar algo. Porém, tenho algum receio de que alguns textos fiquem com demasiadas aspas porque estas serão usadas para citar, para dar exemplos e ainda para indicar o sentido de algumas palavras. Por exemplo: 

1) «São incompatíveis com operadores aspectuais como parar (de) ou acabar (de).»

2) «A situação descrita pela oração o João abriu a porta precede necessariamente a entrada da Maria.»

3) «Se for o tipo a ser avaliado, usa-se ser (cf. Bacalhau à Brás é muito bom).»

4) «Neste aspeto, ficar é praticamente sinónimo de permanecer.»

No caso de referências bibliográficas, vários estilos bibliográficos usam o negrito e o itálico. Como os deveríamos usar num texto escrito à mão?

Por último, gostaria de saber como deveria rasurar algumas partes de um documento (palavras ou frases), quando estiver a escrever à mão. Há normas?

Muito obrigada pelos esclarecimentos.

Raquel Santos Estudante Porto, Portugal 206

Para escrever manualmente o que estaria em itálico num texto digitado, pode substituir o itálico pelo uso de aspas, dado que o objetivo é o mesmo: destacar algo, como diz. O texto pode ficar sobrecarregado, uma vez que elas também se usam para outras funções, para citar, para dar exemplos e ainda para indicar o sentido de algumas palavras.

Vamos responder ao que solicita, embora com risco, pois não temos nas frases acesso ao itálico ou negrito, que supomos existir no original:

1) São incompatíveis com operadores aspetuais como «parar (de)» ou «acabar (de)».

2) A situação descrita pela oração «o João abriu a porta» precede necessariamente «a entrada da Maria».

3) Se for o tipo a ser avaliado, usa-se "ser" (cf. Bacalhau à Brás é muito bom).

4) Neste aspeto, «ficar» é praticamente sinónimo de «permanecer». 

No caso das referências bibliográficas, o uso é sublinhar os títulos de livros, revistas, e utilizar as aspas para referir títulos de poemas ou de capítulos, artigos de revistas...

Para rasurar partes de um documento (palavras ou frases), na escrita manual, a norma é fazer um traço horizontal por cima do que quer eliminar. No entanto, se o documento manuscrito é para entregar a alguém, deve ser passado a limpo,  se for possível, depois de todas as correções feitas.

Maria Eugénia Alves
Tema: Uso e norma