A regência do verbo pegar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A regência do verbo pegar

Na frase «peguei na caneta», qual a classificação sintáctica de «na caneta». Será complemento directo, mesmo que seja introduzido por uma preposição – «em» (embora contraída com o determinante artigo)?

Fernando Marques Portugal 11K

O verbo pegar pode ser intransitivo, significando «começar, ter início», como em «O carro pegou». Pode ser pronominal, como em «Esta roupa pega-se ao corpo», ou «Essa doença pega-se». Pode, ainda, ocorrer como transitivo directo: «Pegaram o ladrão.» Creio que, enquanto transitivo directo é mais utilizado no Brasil, embora o Dicionário da Academia registe a frase «Pegar etiquetas nos livros».Para além disso rege as preposições: Em: «Pegou na caneta.» Com: «A tua casa pega com a minha.»Nos casos em que o verbo rege preposição, não poderemos dizer que o complemento seja directo. É, antes, um complemento preposicionado, a que alguns gramáticos também chamam oblíquo. Assim sendo, «na caneta», na frase em apreço, é um complemento preposicionado.
É, porém, interessante verificar que, embora «na caneta» não seja um complemento indirecto, é substituível por lhe: «Pegou na caneta»; «Pegou-lhe».

Edite Prada
Classe de Palavras: verbo
Campos Linguísticos: Funções sintácticas; Regência