«...a maneira como ele fala»: função sintática da oração subordinada - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«...a maneira como ele fala»: função sintática da oração subordinada

Na frase «A Sara gosta da maneira como o Rui fala de livros», a oração subordinada adjetiva relativa restritiva assume a função sintática de modificador do nome restritivo ou complemento do nome, atendendo à natureza do nome maneira?

Ana Vilhena Professora de Português Lisboa, Portugal 941

A palavra como não é, tradicionalmente, incluída entre o grupo de palavras relativas, posição que também é adotada pelo Dicionário Terminológico (cf. http://dt.dge.mec.pt/). Não obstante, alguns autores têm vindo a apresentar argumentos fortes no sentido da inclusão das palavras quando e como no grupo das relativas1. Nesta linha, podemos constatar que como assume o comportamento de um relativo em situações como a apresentada pela consulente:

(1) «A Sara gosta da maneira como o Rui fala de livros.»

O advérbio relativo como surge em contextos em que existe um antecedente explícito que tem um significado muito geral2, como é o caso das palavras maneira, forma ou modo. É atendendo a esta significação muito genérica do antecedente que a oração relativa se associa a ele restringindo o seu significado. Esta ação semântica da relativa dá já uma pista para a sua natureza: oração subordinada adjetiva relativa restritiva, uma vez que funciona como uma unidade prosódica, sintática e de sentido com o antecedente. Acrescente-se que, nesta oração, o relativo como desempenha a função de modificador (do verbo falar).

Note-se que um antecedente como maneira poderá surgir acompanhado por uma oração relativa introduzida por que, nos casos em que o pronome relativo desempenhe as funções de sujeito ou de complemento direto:

(2) «O Rui fala de uma maneira que cativa todas as pessoas.» (que = função de sujeito)

(3) «O Rui fala de uma maneira que todas as pessoas adoram.» (que = função de complemento direto)

Acrescente-se ainda que, em situações menos comuns, o relativo como pode integrar uma oração subordinada adjetiva relativa explicativa:

(4) « O Paulo agiu com cautela, como a Ana lhe tinha pedido que agisse.»3

 

1. Cf., por exemplo Móia, Telmo, “Aspectos Sintáctico-Semânticos das Orações Relativas com como e quando” in Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa APL, 2001, pp. 349-361 (disponível aqui).

2. Cf. Raposo et al.(orgs.), Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013. pp. 2105-2106.

3. Exemplo apresentado por Móia, T., ibidem, p. 354.

Carla Marques
Tema: DT (Dicionário Terminológico) Classe de Palavras: advérbio
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Orações