A hipérbole no discurso publicitário - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A hipérbole no discurso publicitário

Como se identifica o discurso hiperbolizado na publicidade?

Maria João Aleixo Carvalheira Estudante Coimbra, Portugal 3K

Se se fala de um discurso hiperbolizado (quer seja publicitário ou qualquer outro), é porque se trata de um discurso em que a hipérbole predomina. Por isso, basta termos em conta o que caracteriza a hipérbole, enquanto recurso que joga com o exagero, como «figura de pensamento que consiste na amplificação crescente, quer por excesso quer por defeito, de um determinado objecto, sentimento ou ideia, de forma a provocar no indivíduo estranheza para além da realidade credível» (E-Dicionário de Termos Literários).

Várias são as técnicas para se criar a hipérbole nos discursos informais e nos literários, verificando-se que «este recurso expressivo se encontra abundantemente representado tanto na linguagem corrente, através da utilização de determinados prefixos como super-, ultra-, do abuso de superlativos e do uso continuado de determinadas expressões coloquiais como “estar morto de sede”/“chorar rios de lágrimas”, entre muitas outras, como na linguagem literária, destacando-se, neste caso, na retórica, onde a hipérbole tem como função despertar no público afectos partidários, e na poesia, género no qual pretende a criação afectiva de imagens que ultrapassem a realidade conhecida» (idem).

Eunice Marta
Tema: Figuras de estilo Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Discurso/Texto; Outros