A contribuição de Austin para a pragmática linguística - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A contribuição de Austin para a pragmática linguística

Qual a contribuição de Austin para a pragmática linguística?

António de Melo Bancário aposentado Gravatá, Brasil 3K

A contribuição de Austin (1980)1 para a pragmática linguística é tal, que sem ele não teria havido pragmática linguística, não como a conhecemos hoje, pelo menos.

É certo que Reinach (1983)2, já antes da Segunda Guerra Mundial, tinha isolado os actos sociais, mas foram os actos ilocutórios do filósofo britânico (Austin) que vingaram e originaram a chamada Teoria Clássica dos Actos de Fala, a que se junta J. Searle (1969)3.

Podemos distinguir duas etapas fundamentais da teoria austiniana: a primeira, fundada na distinção entre enunciados que cumprem uma acção e enunciados que simplesmente descrevem a realidade; a segunda fase integra os enunciados descritivos no grupo dos enunciados que cumprem uma acção.

A finalidade central de Austin era fazer frente à convicção instalada de que a língua serve para descrever um estado de coisas, avaliado como verdadeiro ou falso.

Austin fixa-se nos enunciados de polaridade afirmativa, com um verbo na primeira pessoa do singular do presente do indicativo, voz activa e com as seguintes características:

 

— não descrevem nada e não são, pois, nem verdadeiros nem falsos;
— correspondem à execução de uma acção.

Propõe então designá-los como enunciados performativos.

Exemplos (originais):

 

«— Sim, aceito» (na cerimónia matrimonial)
«— Baptizo este barco Queen Elizabeth


1Austin, J. L. 1980 — How to do things with words the William James lectures delivered at Harvard University at 1955.
2Reinach, A. 1986 — « The a priori foundations of the civil law», Aletheia 3, 1-142.
3Searle, J. 1969 — Speech Acts, Cambridge, Cambridge University Press.

 

Ana Martins
Tema: Pragmática