A conjunção e seguida de vírgula antes de expressões adverbiais - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A conjunção e seguida de vírgula antes de expressões adverbiais

Antes de mais, o meu obrigado pelo excelente serviço prestado.

A minha dúvida prende-se com um uso específico da vírgula. Entendo que, numa frase como «sabendo o que tinha de fazer, decidiu agir», deve utilizar-se a vírgula para separar o complemento circunstancial no início da frase. Pergunto-me, no entanto, se o mesmo se passa numa frase como «e sabendo o que tinha de fazer, decidiu agir». Teria de haver obrigatoriamente uma vírgula a preceder a palavra sabendo, ou o «e» inicial, em certos contextos como este, poderá considerar-se parte do complemento circunstancial, não carecendo de uma segunda vírgula («e[,] sabendo o que tinha de fazer, decidiu agir»)? O mesmo seria válido para frases como: «e[,] assim, decidiu agir»/«e[,] então, decidiu agir»/«e[,] por isso, decidiu agir»? Não encontro nada referente a este caso específico, por isso gostaria que me auxiliassem, se possível com a referência a alguma gramática que se tenha debruçado sobre esta particularidade da escrita.

Muito obrigado.

Pedro Gonçalves Tradutor Lisboa, Portugal 3K

De facto, não parece existir doutrina normativa sobre o tópico, pelo que é de supor que aos exemplos apresentados se apliquem os critérios de sempre. Contudo, estes casos têm certas características estruturais e discursivas que, sem retirar relevância à vírgula, permitem considerar a possibilidade da sua omissão, sem aí haver erro inequívoco.

Assim, em todos os contextos apresentados, a conjunção e ocorre como um conetor textual, mas esta função é, do ponto de vista sintático, praticamente igual à da mesma conjunção na coordenação oracional («desceu do comboio e, sabendo o que tinha de fazer, decidiu agir»). Esta função textual não obsta, portanto, a que expressões adverbiais – palavras simples, locuções e até orações gerundivas, participais ou de infinitivo – apareçam entre vírgulas. O mesmo acontece com e e «no entanto», quando ambos aparecem como articuladores do discurso.

Contudo, esse e com função discursiva e textual é usado muitas vezes para dar realce frases e expressões. Por exemplo, Celso Cunha e Lindley Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo (Lisboa, Edições João Sá da costa, 1984, p. 579), falam no e que inicia «frases de alta intensidade afectiva» («El-rei preso! E não se levanta este Minho a livrá-lo!»).  Não me parece que, nos exemplos em discussão, se trate dessa intensidade, mas não será ilegítimo encarar o e parte da expressão adverbial, tal como aconteceria se esta fosse interrogada, constituindo um enunciado:

1 – E sabendo o que tinha de fazer? – E sabendo o que tinha de fazer[, decidiu agir].

2 – «E assim? – E assim[, decidiu agir].

O que se procura sugerir com 1 e 2 é que o a conjunção e parece coordenar as expressões adverbiais «sabendo o que tinha de fazer» e «assim» com informação que as frases em que ocorrem não disponibilizam, ou porque se depreende situacional ou textualmente, podendo, então, ponderar-se a não utilização da vírgula depois de e.

O que acabo de dizer força certamente os limites da preocupação pelo uso económico da vírgula. Não tem, portanto, a veleidade de definir uma clara exceção à norma que antes referi. Proponho apenas uma análise que, quanto a mim, permite alguma margem de tolerância para a omissão da vírgula em causa.

Carlos Rocha