João Carreira Bom - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
João Carreira Bom
João Carreira Bom
10K

João Carreira Bom (1945 – 2002) foi um jornalista e cronista português que trabalhou para o Diário de Notícias e participou nas redações de O Século, Expresso e da revista Sábado. Destacou-se também por ser contista, atividade que o levou a publicar, em 1965, o livro de contos Subgente. Fundador, com José Mário Costa, do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.

 
Textos publicados pelo autor

Neste caso, é preferível a preposição para: «Viajar para Paris». O significado é o de deslocação para um lugar distante. Mas, quando se emprega o verbo ir com sentido idêntico, a preposição para indica longa permanência: ir para Paris = passar a residir em Paris; ir a Paris = viajar para ou até Paris (com a ideia de estar algum tempo nesta cidade).
Sobre outras acepções do verbo viajar, deve consultar-se o dicionário da Academia ou o da Porto Editora – disponível, na versão electrónica, através das Ligações do Ciberdúvidas (1.ª pág.).

A expressão Pai Natal é relativamente recente na língua portuguesa. Provém do francês Père Noël (= Pai Natal). No Brasil, adoptou-se Papai Noel.

Escreve-se com maiúsculas iniciais, quando se trata do ancião de barbas brancas e roupas vermelhas que, supostamente, distribui presentes na noite de Natal (figura inspirada na lenda de São Nicolau). Escreve-se com minúsculas, quando se refere às pessoas que se vestem de pai natal / papai-noel.

O Pai Natal com maiúsculas, inspirado na lenda de São Nicolau, é só um. Emprega-se no singular. Mas são muitos os pais natais ou papais-noéis que por aí andam a imitá-lo. Neste caso, José Neves Henriques (resp. ant. do Ciberdúvidas) e os dicionaristas brasileiros admitem o plural (pais natais / papais-noéis).

Os dicionários brasileiros registam a grafia do substantivo papai-noel (papais-noéis) com hífen.

Em Portugal, acerca de pai natal (pessoa que se veste de...), o Dicionário da Academia recomenda apenas a escrita com minúscula. José Neves Henriques (Ciberdúvidas) também prefere esta designação sem hífen e lembra que natal, aqui, funciona como adjectivo.

O anglicismo "trailer", no sentido de «conjunto dos excertos de um filme para anunciar a sua exibição» (Dicionário da Academia), talvez possa traduzir-se por apresentação.

O Dicionário de Expressões Populares Portuguesas, de Guilherme Augusto Simões, regista farta-brutos. Mas também tenho ouvido enfarta-brutos, com significado idêntico: dose capaz de satisfazer os indivíduos mais vorazes.

Trasladar ou transladar não significa apenas transferir restos mortais. Desde a sua origem latina, aplica-se ao acto de mudar seja o que for de um lado para o outro. É esta a primeira das nove acepções registadas no dicionário da Academia, aplicando-se a segunda acepção às actividades funerárias.
Traslação ou translação são termos registados no dicionário da Porto Editora, com os seguintes significados: acto ou efeito de transladar; transferência; tradução; metáfora. O dicionário da Academia não regista traslação/translação, mas, tal como o da Porto Editora, indica trasladação/transladação com cinco acepções.