Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias Artigo
Boas festas, caros consulentes!

Francisco Rebelo Gonçalves, no "Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa" (Coimbra Editora, 1947), faz a distinção entre:

a) a «associação de um adjectivo e um substantivo em normal concordância» numa saudação;
   b) palavras compostas por esse substantivo e esse adjectivo.

   Assim:

   - boas noites e boas-noites;
   - bom dia e bom-dia;
   - boas festas e boas-festas;
   - boas entradas e boas-entradas;
   - boas vindas e boas-vindas, etc.

   Na obra citada, Rebelo Gonçalves inclui boa-noite entre os exemplos de palavras formadas por um adjectivo e um substantivo. Acrescenta a seguinte nota:
   «Não se trata de conhecidas palavras de saudação (ex.: boa noite, minha mãe; muito boa noite, meu pai), porque estas não formam um composto e, portanto, não se ligam por hífen (...).» Boa-noite é «um vocábulo composto que vale o mesmo que noitibó (*). Variante: boa-noute
   Segundo o autor do "Tratado de Ortografia", não se faz a união com hífen destes adjectivos e destes substantivos nas frases em que desejamos boas festas, boas entradas, boas vindas ou bom dia (ex.: boas entradas, Francisco!), «porque constituem mera associação de um adjectivo e um substantivo, o primeiro em normal concordância com o segundo (...). Em frases como dar as boas-festas, enviar um cartão de boas-festas,etc., tais palavras já se unem desse modo, porque formam um composto(...).» (Ex.: Pedro deu as boas-noites ao pai; Manuel deu as boas-vindas ao Francisco.)

   Eis o fundamento da resposta que assinei em Junho de 1997 (Bom dia, Maria). No tratado de Rebelo Gonçalves, quanto a esta destrinça, baseiam-se também alguns prontuários - como o de D'Silvas Filho (**), consultor de Ciberdúvidas.
   Outra opinião, todavia, tem o professor José Neves Henriques, que muito me tem ensinado e faz o favor de me distinguir com a sua estima. Mas a polémica não é comigo. É com Rebelo Gonçalves. Ou melhor: com o "Tratado Ortográfico" que nos legou.

(*) Noitibó: o mesmo que boa-noite (ave). Do latim "noctivulu-" = que voa de noite.
(**) Texto Editora, Lisboa, 1998.

 

Cf. o contraponto deste texto: Boas-noites, outra vez

Sobre o autor

João Carreira Bom (1945 – 2002) foi um jornalista e cronista português que trabalhou para o Diário de Notícias e participou nas redações de O Século, Expresso e da revista Sábado. Destacou-se também por ser contista, atividade que o levou a publicar, em 1965, o livro de contos Subgente. Fundador, com José Mário Costa, do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.