Gonçalo Neves - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Gonçalo Neves
Gonçalo Neves
11K

Tradutor de espanhol, francês, inglês, italiano e latim; especialista em Interlinguística, com obra publicada (poesia, contos, estudos linguísticos) em três línguas planeadas (ido, esperanto, interlíngua) em várias revistas estrangeiras; foi professor de Espanhol (curso de tradução) e Português para Estrangeiros no Instituto Espanhol de Línguas; trabalhou como lexicógrafo na Texto Editores; licenciado em fitopatologia pela Universidade Técnica de Lisboa.

 
Textos publicados pelo autor

Existe alguma divergência na forma como os dicionaristas tratam o mitónimo latino Cœus ou Coeus (correspondente ao grego Κοῖος), que designa um dos titãs referidos por Virgílio no Livro I (v. 279) das Geórgicas. Numa pesquisa não exaustiva, depararam-se-me duas formas:

(1) Ceu nos seguintes dicionários:

Francisco Torrinha: Dicionário Latino-Português. Porto: Porto Editora. 2.ª edição. 1942. 947 p. [p. 159]

José Pedro Machado: Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa. Primeiro Volume A–D. Lisboa: Confluência 1984. 525 p. [p. 396]

Dicionário Latim-Português, 2.ª edição. Porto: Porto Editora 2001. 717 p. [p. 149]

(2) Céu nos seguintes dicionários:

Nicolau Firmino: Dicionário Latino-Português. Lisboa: Livraria Académica de D. Felipa. 1945. 630 p. [p. 105]

Francisco António de Sousa: Novo Dicionário Latino-Português. Edição actualizada e aumentada por José Lello e Edgar Lello. Porto: Lello & Irmão 1984. 1114 p. [p. 177]

Encontrei igualmente a grafia Ceu no

Como se diz <i>Vizela</i> em latim?
Sobre a forma Oculis Calidarum

Diz-se que o nome de Vizela em latim seria Oculis Calidarum. Será mesmo assim? O tradutor e latinista Gonçalo Neves esclarece este caso da toponímia da época romana a norte do Douro, para recordar um aspeto muito importante do funcionamento da língua latina: as declinações, ou seja, a flexão casual de nomes, adjetivos, pronomes e determinantes.

Apresento a lista do consulente com os meus comentários. A única dificuldade, no caso presente, reside no facto de os nomes latinos não se encontrarem dicionarizados, pelo que não é possível verificar a quantidade das vogais, um elemento essencial para definir a correta acentuação em português. Por isso, nos comentários da secção 2, falo na probabilidade de esta ou aquela forma ser a mais correta.

1. Concordo com os seguintes nomes aportuguesados sugeridos na lista (destacados a negrito; a forma latina está em itálico, seguida da escandinava entre parênteses e também em itálico):

Adelus (Adils/Eadgils) – Adelo.

Agnus/Agnius (Agne) – Agno ou Ágnio.

Alaricus e Ericus (Alrekr e Eiríkr) – Alarico e Érico.

Amundus (Amund) – Amundo.

Anundus (Anund) – Anundo.

Aunus (Aun) – Auno.

Biornus (Bjørn/Bjǫrn/Björn) – Biorno.

Domalder (Domalde/Dómalda/Domalde/Dómaldi) – Domaldro

Fliolmus/Fiolni (Fiǫlnir/Fjǫlnir/Fjölner) – Fliolmo.

Gudrodus<...

O termo Γοργόνειον (Gorgóneion), na Antiga Grécia, referia-se a um amuleto apotropaico que representava a cabeça da Medusa, uma das três Górgonas.

Não encontrei nenhum aportuguesamento registado em dicionários ou noutras obras de referência. Por exemplo, António Freire (19191997), na sua obra Helenismos Portugueses (Edições APPACDM Distrital de Braga, 2.ª edição, 1996, p. 36), ao tratar do aportuguesamento de Γοργόνες (Gorgónes), termo para o qual admite dupla forma na nossa língua (Górgones ou Górgonas), não faz qualquer menção a Γοργόνειον.

Por isso mesmo, resta-nos perscrutar o que o douto helenista propugna para termos gregos análogos. Por exemplo, sobre Ποσειδῶν (Poseidōn) comenta que «O aportuguesamento deste mitónimo tem corrido a mais desvairada fortuna na lexicografia nacional» (ibidem, p. 123), após o que enumera as formas que encontrou dicionarizadas: “Poseidon” (variante que considera «bizarra»), “Poséidon”, “Posídon” e “Posidão”. De todas est...

A colocação dos pronomes átonos é uma questão intricada e multímoda, que tem feito correr rios de tinta, de tal forma que o filólogo, escritor e lexicógrafo português Cândido de Figueiredo (1846–1925), depois de acesa polémica, a este respeito, com o escritor e jornalista brasileiro Paulino de Brito (1858–1919), deu à estampa uma obra de 400 páginas acerca do tema, sob o título O problema da colocação de pronomes (suplemento às gramáticas portuguesas), a qual conheceu oito edições entre 1909 e 1952.

 O assunto, aparentemente inesgotável, continua a dar azo a inúmeros estudos de ambos os lados do Atlântico, como é o caso desta dissertação de 108 páginas, da autoria de Líbia Mara S. Saraiva, apresentada no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais em 2008.

 Também no Ciberdúvidas têm sido recorrentes as perguntas atinentes a esta matéria, sendo-me impossível citar aqui todas as respostas, pelo que me limito a trazer à colação as que me parecem mais pertinentes, como