Dicionário da Língua Portuguesa – Léxico, Gramática, Prontuário - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Dicionário da Língua Portuguesa – Léxico, Gramática, Prontuário
Aldina Vaza e de Emília Amor
Texto Editora, 2018 1K

Dicionário da Língua Portuguesa – Léxico, Gramática, Prontuário é a nova publicação da editora Texto, da autoria de Aldina Vaza e de Emília Amor, com consultoria científica de Maria Fernanda Bacelar do Nascimento. A obra constitui a 3.ª edição do Dicionário Verbo da Língua Portuguesa e trata-se, mais uma vez, de uma edição apoiada pelo Ministério da Educação.

Assumindo-se como uma publicação vocacionada para o ensino, tem como referência as publicações legais mais recentes no âmbito da disciplina de Português (considerando o Dicionário Terminológico e os Novos programas e metas curriculares) e no panorama nacional (tomando como referência o Acordo Ortográfico de 1990, o Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa, o Vocabulário Ortográfico do Português e o Vocabulário Ortográfico de Mudança).

A atenção concedida ao universo escolar, no contexto da aprendizagem da língua portuguesa, fica patente na adequação da terminologia gramatical aos documentos em vigor e na atenção detalhada, concedida aos aspetos gramaticais. Entre estes refira-se o caso da flexão: todas as palavras flexionáveis em género apresentam a sua forma feminina na entrada, o mesmo se verificando com os plurais irregulares. Também a flexão verbal, sobretudo dos verbos irregulares, fica imediatamente acessível, sendo associado à entrada um quadro que apresenta as formas irregulares em diversos tempos e modos. Para os verbos regulares, é sempre dada a indicação do paradigma de flexão e da forma (ou formas) do particípio. Esta informação morfológica é completada por um anexo, Anexo I – Verbos – Flexão, Conjugação e Paradigmas, que contempla regularidades e exceções.

Estas características, que diferenciam este dicionário de outras publicações da mesma natureza, levam a que este assuma traços de uma gramática. Esta particularidade é confirmada pelas tabelas ou explanações que a obra vai incluindo, referentes, por exemplo, a classe de palavras (nomes, pronomes, quantificadores,…) ou a classes pragmáticas (como é o caso dos conectores). Adotando também uma linha de prontuário, apresenta explicações relacionadas com aspetos diversificados da norma linguística: utilização do acento, comportamentos sintáticos de palavras, funções sintáticas, entre outros aspetos.

A preocupação com o Acordo Ortográfico de 1990 fica patente no facto de se assinalarem as diferenças entre grafias do português europeu e do português do Brasil, quando estas ocorrem, sendo também identificados os casos de grafia dupla. A este propósito, refira-se que, no final, Anexo V, o Dicionário apresenta uma sinopse do Acordo de 1990.

 

Cariz enciclopédico

 

Outro aspeto particular desta publicação, que lhe confere um cariz algo enciclopédico, está relacionado com as explicações relativas, por exemplo, ao léxico mitológico, que indo além da apresentação do significado da palavra, dão breves indicações relacionadas com características dos deuses greco-latinos, o que tem clara utilidade para estudantes e leitores de obras de tema clássico. Pena é que esta dimensão didática não se tenha estendido à inclusão de entradas lexicais históricas, patentes em obras constantes do currículo escolar, como Crónica de D. João I, de Fernão Lopes, Os Lusíadas, de Luís de Camões, ou as obras de Gil Vicente. Seria interessante a inclusão de termos como, por exemplo, “louçana”, “estígio” ou “çarrar”, que se afiguram opacas para o aluno comum. O mesmo se diga da importância da informação etimológica associada a cada palavra, aspeto que, não tendo sido contemplado no dicionário, teria a sua clara utilidade em contexto escolar e serviria ainda interesses de grupos específicos. Refira-se, não obstante, que, no final do Dicionário, encontramos um anexo (Anexo II) destinado exclusivamente à derivação e flexão por sufixação, onde se inclui de forma detalhada o valor de sufixos mais produtivos, acompanhados de vários exemplos de palavras em cuja formação participaram. No corpo da obra, assinalamos também entradas relativas a prefixos e a radicais.

Em suma e em traços gerais, o novo dicionário agora disponível em Portugal é uma obra que assume o objetivo de ir além da explicação lexical, privilegiando um público que encontrará aqui uma fonte para uma utilização correta e consciente da língua portuguesa.

Carla Marques