Um cool nada fixe - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Um cool nada fixe
Um cool nada fixe

«Lisboa eleita cidade mais “cool” da Europa pela CNN. A cadeia de televisão norte-americana
CNN elegeu ontem Lisboa como a cidade mais cool da Europa. A atmosfera,
o clima, a gastronomia e a vida noturna fazem de Lisboa um ponto de visita
obrigatório, na opinião da jornalista Fiona Dunlop, em reportagem para a CNN.»

A notícia circulou praticamente na generalidade da imprensa portuguesa, do audiovisual aos jornais, em papel ou no suporte digital. E raros, raríssimos, tiveram o cuidado de cumprir, ao menos, o que aconselha a boa prática jornalística: a descodificação de qualquer palavra ou expressão menos acessível ao comum dos leitores/telespetadores/ouvintes, sejam estrangeirismos ou meros socioletos. Por maioria de razões – o seu estatuto (e obrigações) de serviço público – é o que se esperaria da RTP: ao menos, como outros fizeram, a tradução, entre parêntesis, na legenda mantida em permanência durante a peça, «Lisboa cool».

1 É toda uma panóplia de possibilidades de tradução – incluindo as do âmbito da gíria coloquial – de um termo que, no inglês, não abarca necessariamente a propriedade semântica da correspondência em português: «com estilo», «espetacular»,  «fixe», «porreira», «gira», «legal»/«bacana», etc.

2 Dir-se-á que ao anglicismo cool, já de tão generalizado nalguns meios e setores – da juventude mais urbana às publicações da moda e do entretenimento –, tarde ou cedo, acontecerá o que sucedeu ao galicismo chic há bem mais de meio século, que ganhou a feição portuguesa (chique). Veremos é se se livra da estranha hesitação que ainda anda por aí com o registo de outro neologismo de recente afirmação, “googlar, em vez de guglar.

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.