O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma A arte do uso da linguagem
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
O inesquecível Eça
Portugal concede honras de Panteão Nacional ao escritor

«A aprovação por unanimidade pela Assembleia da República da resolução que visa conceder honras de Panteão Nacional a José Maria Eça de Queiroz constitui um ato de elementar reconhecimento em relação a quem é referência indiscutível das culturas de língua portuguesa.» Palavras de Guilherme d'Oliveira Martins acerca das honras de Panteão Nacional concedidas a Eça de Queirós.

Artigo publicado no Diário de Notícias no dia 19 de janeiro de 2021. Mantêm-se as grafias Queiroz e queiroziana, usadas pelo autor.

A subjetividade da metáfora na leitura dos textos
Um recurso bem conhecido mas dado a confusões

«A metáfora, contudo, é mais do que a substituição de um termo pelo outro. Luís Fiorin explica que esta figura de linguagem é um «procedimento discursivo de constituição de sentido» que «não é a substituição de uma palavra por outra, mas outra possibilidade, criada pelo contexto, de leitura de um termo (...).»

Artigo do investigador brasileiro Roberto Lota publicado na página de Facebook Língua e Tradição em 8 de janeiro de 2021. 

«Um aldrabãozinho honesto»
Quando da boca de alguém sai um inesperado oxímoro...

«[...] [N]uma conversa entre amigos, ouvi alguém referir-se a um seu conhecido como «um aldrabãozinho honesto»… Achei este oxímoro um verdadeiro achado.»

[Apontamento do professor João Nogueira da Costa sobre o conceito de oxímoro e publicado na página de Facebook do autor em  26 de novembro de 2018.]

Eça de Queirós não escrevia bem
Literatura e qualidade de escrita

«[F]ixemo-nos na verdade profunda desta ideia: o escritor de verdade é o que não sabe escrever», afirma o poeta e diplomata português Luís Filipe Castro Mendes neste artigo publicado no Diário de Notícias em 21 de novembro de 2020.

Ironia
O contraste entre a realidade e a aparência

«Na situação irônica, há um descompasso entre o que acontece e o que se espera acontecer», observa o professor universitário brasileiro Roberto Lota num apontamento dedicado a três tipos de ironia, ilustrando este recurso expressivo com um exemplo retirado de Memórias Póstumas de Brás Cubas, a conhecida obra de Machado de Assis (1839-1908).

 

.[in Língua e Tradição,13 de novembro de 2020.]

 

 

Teatro
Sobre falar uma língua

«Pensar sobre a linguagem é como pensar sobre andar de bicicleta enquanto se está em cima da bicicleta, um prenúncio de queda.», afirma Pedro Mexia, numa analogia que ilustra uma reflexão sobre a densidade da linguagem, faculdade a que ninguém permanece indiferente, num texto que se transcreve, com a devida vénia, da revista E, suplemento do jornal Expresso (o autor segue a antiga ortografia).

«Pontos de vista»
Uso e preceito

A história de «ponto de vista» segundo Agostinho de Campos, que junta alguns preceitos para o uso desta locução, num texto de 1939, incluído em  Língua e má língua (Livraria Bertrand, 3.ª edição, 1945; mantém-se a grafia original).

«Viagens quási maravilhosas através da linguagem»
A polissemia do adjetivo bom

«Se um estrangeiro nos perguntar à queima-roupa o que quere dizer a palavra «bom», é fácil respondermos-lhe que chamamos «bom» a tudo o que tem bondade, e «bons» às criaturas bondosas. Mas a coisa não é tão simples na língua portuguesa, e igual complicação se encontrará nas outras línguas  com as palavras correspondentes.» Com estas e outras considerações, o escritor, jornalista, pedagogo e político português Agostinho de Campos (1870-1944) evidencia a polissemia do adjetivo bom e comenta o seu uso estilístico, neste trecho extraído de Língua e má língua (Livraria Bertrand, 3.ª edição, 1945; manteve-se a ortografia do original).

Para quê cantar em português?

A propósito da vitória do cantor português Salvador Sobral no festival Eurovisão 2017 – a primeira de um representante de Portugal, cantando no nosso idioma –, pergunta o autor, no artigo que a seguir se transcreve na íntegra, publicado no jornal Público do dia 19 p.p: «(...) Como se vence cantando em português? O que é o mesmo que perguntar, o que nos diz a nós e porque é que também diz a tanta gente que não sabe a língua?»

Reflexão de Ana Sousa Martins sobre a necessidade de estudos sobre a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, capazes de irem da textualização à substância dos vocábulos que constroem a obra (texto transmitido no programa Páginas de Português de  8/12/2013).

A importância da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto na literatura, cultura e historiografia portuguesa é largamente reconhecida e celebrada de muitas maneiras.