Academia Brasileira de Letras propõe acertos no Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Academia Brasileira de Letras propõe acertos no Acordo Ortográfico
Academia Brasileira de Letras
propõe acertos no Acordo Ortográfico
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 878

Informação da Agência Brasil: a Academia Brasileira de Letras (ABL) vai propor algumas mudanças no Acordo Ortográfico de 1990 (AO). Evanildo Bechara, académico que tem protagonizado o processo de aplicação do AO no Brasil, declara que as alterações são pequenas e incidem na grafia de compostos (incluindo o uso do hífen), na redução das exceções existentes e na uniformização dos "porques" (até aqui, por que, em certos contextos, no Brasil e porque sistematicamente em Portugal). Estas alterações, defende Evanildo Bechara, «só devem ser discutidas» depois da entrada em pleno da nova reforma, tendo em conta que é «o uso corrente da nova ortografia a poder suscitar novas questões e problemas a serem resolvidos».

Na primeira reunião de lexicografia promovida em 26 de setembro p. p. pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) na cidade da Praia (Cabo Verde), com vista à elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum, Evanildo Bechara, de cuja comissão é o principal consultor por parte do Brasil, já dera conta destas propostas da ABL. Fica por saber, ainda, se elas já serão acolhidas no vocabulário comum dos oito países de língua oficial portuguesa.

Deixamos a seguir ligação para algumas notícias mais recentes sobre o debate que a aplicação do Acordo Ortográfico tem suscitado não só no Brasil mas também noutros países lusófonos:

Linguista aponta falta de amadurecimento no texto do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa

Escritores lusófonos acreditam que acordo não altera a prosa

Países africanos têm papel decisivo na afirmação do português

Cf. – 10 anos da reforma ortográfica no Brasil

Conforme foi anunciado, o consultório faz uma pausa até 15 de janeiro de 2013, de modo a permitir a migração dos conteúdos do Ciberdúvidas para uma nova plataforma que traz consigo novidades a anunciar oportunamente. Contudo, aqui e no Facebook, continuam a ficar em linha respostas que aguardavam publicação, e disponibilizam-se novos textos nas demais rubricas, como acontece neste dia, em que se comentam a formação do ordinal correspondente a bilião, o significado de trapalhada e a pronúncia de bosão. No Pelourinho, num artigo originalmente publicado no jornal i, Wilton Fonseca critica quem usa o verbo saber em lugar dos verbos julgar e suspeitar.

 Recordamos igualmente que, no Facebook, se encontra uma seleção das respostas e demais artigos aqui em linha, incluindo alguns apontamentos em registo áudio, como é o caso deste, sobre o termo banto, designação de uma importante família linguística africana.

Entretanto, para qualquer assunto não relacionado com dúvidas linguísticas, pedimos que nos contactem pelo endereço habitual: ciberduvidas@ulusofona.pt. A todos os que nos acompanham, os votos de boa entrada no ano de 2013!

Porque o Ciberdúvidas não sobreviverá sem a generosidade de quantos o consultam regularmente, renovamos os nossos agradecimentos aos amigos que responderam positivamente à campanha SOS Ciberdúvidas. Sem o seu apoio, não teria sido possível assegurar a continuidade deste serviço de acesso gracioso e sem fins lucrativos. Todos os esclarecimentos para a participação neste movimento podem ser solicitados pelo endereço sosciberduvidas@gmail.com.

texto descritivo da imagem

Cibercursos

Quem deseja aprender o português ou quer aperfeiçoá-lo encontra na Ciberescola e nos Cibercursos exercícios, testes-diagnósticos, cursos e um programa de aprendizagem colaborativa. Experimente! Mais informações aqui.