Verbo ir: verbo pleno e verbo auxiliar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Verbo ir: verbo pleno e verbo auxiliar

Gostaria de um pequeno esclarecimento em relação ao verbo ir.
Tenho visto alguns textos e poesias de onde é comum o uso do verbo ir + a preposição "a" + verbo no infinitivo, como na poesia de Rosa Clement abaixo.
Porém tenho entendido que o uso dessa construção gramatical está incorreta no português e portanto a minha dúvida.
Agradeço antecipadamente por vosso tempo e atenção.

Na ribeira

Na tarde ando sozinha
pelo caminho do rio, para ver meu amor,
e sigo sem nenhum pudor
ao prazer dos meus pés descalços.

Com perfume de açucenas,
deixo o sol beijar minha pele morena
e em fogo VOU A CANTAR
uma canção de fêmea...

E assim, perfumada e quente,
chego pela mesma ladeira,
e para ele na ribeira,
livro meu corpo de censuras.
E sem descansar do passeio,
com o vento frio a beijar meus seios,
fito seu rosto sentindo
nas mornas águas os céus descendo....

José Eduardo Carvalho Portugal 11K

O verbo ir pode ser um verbo pleno ou um verbo auxiliar. Como auxiliar, utiliza-se seguido de infinitivo e situa a acção designada pelo verbo principal no futuro, mediante uma construção que se designa, habitualmente, conjugação perifrástica. Nesta situação o verbo ir não é seguido de preposição: «Ele vai escrever um livro.»

Como verbo pleno, é um verbo transitivo oblíquo, devendo ser sempre seguido de um complemento circunstancial de lugar: «ir ao cinema»; «ir para casa» etc.

Na expressão que o consulente destaca no poema, o verbo ir não é um verbo auxiliar, mas, sim, um verbo pleno. Não tem expresso o complemento circunstancial que o verbo exige, porque o contexto nos permite identificá-lo: «pelo caminho do rio».

«A cantar» corresponde ao modo como o sujeito da enunciação se desloca. Podia ir «alegremente», mas vai a cantar… Note-se que o poema tem outros complementos circunstanciais de modo associados a verbos de movimento. Citam-se apenas alguns: «sigo sem nenhum pudor»; «em fogo vou»; «perfumada e quente,/ chego».

Edite Prada
Classe de Palavras: verbo