Sobre a grafia do topónimo Dobadoura - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre a grafia do topónimo Dobadoura

Estou a preparar um estudo toponímico da Vila de São Brás de Alportel.

Existe um arruamento, a Rua da Dubadoura, que penso estar mal grafada na placa toponímica. Será mesmo Dubadoura, ou Dobadoura?

António Cabral Reformado São Brás de Alportel, Portugal 5K

O Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado, regista unicamente a forma (singular) Dobadoura para o topónimo de Paços de Ferreira, assim como a forma plural Dobadouras em Monte das Dobadouras, Odemira.

Estes topónimos derivam do nome/substantivo comum dobadoura «[dobrar + -doura], aparelho giratório onde se enfiam as lãs, ou outros têxteis, para serem enoveladas ou dobadas» (Grande Dicionário da Língua Portuguesa, da Porto Editora, 2010).

Trata-se, portanto, de topónimos — tal como alguns antropónimos — cuja origem é «alusiva a instrumentos de trabalho, utensílios e matérias-primas» (J. Leite de Vasconcelos, Antroponímia Portuguesa, Lisboa, Imprensa Nacional, 1928) que identificavam certos locais.

Não encontrámos nestas obras específicas registo da rua que nos indica (em São Brás de Alportel), mas a forma gráfica da placa toponímica (decerto antiga), em que ocorre u (em vez do o), deve tratar-se de um caso em que o seu autor não dominava a ortografia e procurou representar o som proferido de forma mais simples.

Não podemos esquecer-nos de que, apesar das indicações que havia do Tratado de Ortografia (Coimbra, Atlântida, 1947) de que «se deve fazer rigorosa distinção entre o e u em sílaba átona» (p. 116), a mesma obra não deixa de assinalar, também, que se «admite a coexistência de uma forma com o em sílaba átona e de uma variante na mesma sílaba, quando elas não são casos de duplicidade gráfica, mas variantes fonéticas, justificadas pela evolução [...], o que acontece, por exemplo, com as formas ortiga e urtiga» (idem, p. 121).

Eunice Marta
Tema: Topónimos Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Etimologia; Ortografia/Pontuação