Portanto e pois - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Portanto e pois

Por gentileza, a questão abaixo foi tirada de um livro que estou estudando e a alternativa dada como certa é a alternativa D. Gostaria de saber por que na terceira lacuna se tem de usar a conjunção portanto e não a conjunção pois. Digo isso porque a gramática ensina que a conjunção pois também tem a função de conclusiva.

Por gentileza, me esclareça.

01. A região alvo da expansão das empresas, _____, das redes de franquias, é a Sudeste, ______ as demais regiões também serão contempladas em diferentes proporções; haverá, ______, planos diversificados de acordo com as possibilidades de investimento dos possíveis franqueados. 

(A) digo ... portanto ... mas
(B) como ... pois ... mas
(C) ou seja ... embora ... pois
(D) ou seja ... mas ... portanto
(E) isto é ... mas ... como
Nilson Bertolazo Escriturário Rinópolis, São Paulo, Brasil 2K

A alternativa dada como certa, e bem, é a D não por causa do uso de pois em contraponto com portanto, mas, sim, devido à utilização de mas em vez de embora.

Na frase que apresenta será {#correcto|correto} usar portanto ou pois na terceira lacuna, uma vez que ambas as conjunções são, como disse o consulente, conclusivas e podem ser usadas nos mesmos contextos.

No entanto, na segunda lacuna deve ser usada a conjunção adversativa mas e não a conjunção concessiva embora, visto que o verbo da oração principal («serão contempladas em diferentes proporções») está no presente do indicativo. Para usar embora, este verbo teria de estar no presente do conjuntivo [subjuntivo]. Teria então a frase {#correcta|correta}: «embora as demais regiões também sejam contempladas em diferentes proporções».

Nuno Carvalho