Persiana vs. estore - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Persiana vs. estore

Tenho constatado que há diferenças muito grandes entre o uso de persianas e estores em diferentes partes do país [Portugal].

Encontrei uma definição de persianas como constituídas por lâminas, normalmente externas para proteger do frio e/ou do sol, exatamente como costumo referir.

No entanto, nas várias pesquisas feitas, não encontro grande coerência entre os significados destas palavras nos diferentes livros/dicionarios/websites que consultei e tenho encontrado muita gente com uma identificação das mesmas exatamente ao contrário.

Será que me poderiam ajudar?

Luís Cabral Figueiredo Profissional de marketing Porto, Portugal 505

O caso relatado pelo consulente é próprio da variação regional da língua e pode ser exemplificativo de como nem sempre é possível atribuir a palavras semântica e referencialmente próximas definições válidas para o conjunto de comunidades que falam a mesma língua. É o que parece acontecer com persiana e estore nos territórios de Portugal, situação provavelmente generalizável a outros países de língua portuguesa.

A definição que o consulente dá de persiana é a que ressalta talvez mais familiar em Portugal: um painel protetor colocado no exterior de uma janela e constituído por lâminas imbricadas, de modo a facilitar a sua recolha, geralmente, por um mecanismo existente no interior da casa. Note-se, porém, que esta descrição é apenas uma das possibilidades de identificar uma persiana, atendendo à definição que dá o dicionário da Porto Editora (versão em linha, na Infopédia):

«1. peça composta por lâminas paralelas, fixas ou móveis, colocada no interior ou no exterior das janelas, que se destina a resguardar da luz do Sol e a impossibilitar a visão do exterior 2. peça constituída por lâminas de metal ou plástico que se enrolam e desenrolam por meio de um mecanismo adequado, e que se desce para tapar a luz»

Mesmo assim, querendo identificar protitipicamente aquilo a que, em Portugal, se tem chamado persiana, dir-se-ia que a imagem ao lado esquerdo seria um bom exemplo.

O termo estore é definido pelo referido dicionário de um modo mais vago, que permite identificá-lo à denotação de persiana:

« cortina lisa com um mecanismo apropriado para subir e descer»

Convém, porém, observar que um estore denota um painel interior, geralmente formado por lâminas sobrepostas, reguláveis, ou uma tela que se enrola, como se ilustra a imagem do lado direito.

Importa ainda dizer que a evolução da técnica permite que os dois tipos de proteção se confundam, como parece concluir-se das imagens de uma outra página. Não admira, pois, que não seja clara a diferença entre os dois termos em questão, mesmo quando se consultam glossários da área da engenharia civil – por exemplo, o sítio eletrónico português EngenhariaCivil.com:

«Estore Cortina de réguas, madeira, plástico, alumínio ou lâminas de aço, que recolhe por enrolamento, servindo para isolar da luminosidade ou criar privacidade, sendo aplicado principalmente em janelas.»

«Persiana Elemento utilizado em janelas para quebrar a luz do sol. Normalmente são pequenas ripas de plástico, madeira ou metal, que se ligam.»

Não se afigura, portanto, possível chegar a uma distinção clara entre os dois termos. O que foi dito terá algum consenso entre fabricantes, comerciantes e clientes, mas tenha-se em mente que haverá sempre margem para outras definições.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico Campos Linguísticos: Atestação/Significado de palavras