O uso do apóstrofo em pronomes pessoais referentes a divindades - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso do apóstrofo em pronomes pessoais referentes a divindades

Na utilização de pronomes pessoais referentes à divindade, são geralmente colocados com letra maiúscula: «…viemos adorá-Lo (Mt 2:2)», «…começaram a acusá-Lo (Lc 23:2)», «Amá-Lo com todo o coração». No entanto, alguns autores e tradutores colocam um apóstrofo no meio do pronome: «…viemos adorá-l’O », «…começaram a acusá-L’o», «Amá-l'O com todo o coração». Seria possível explicar se as duas formas estão corretas ou se apenas uma é válida?

Marco Oliveira Engº Informático Lisboa, Portugal 786

     As normas ortográficas são muito claras no uso do apóstrofo. Segundo a Base XVIII do Acordo Ortográfico de 1990, o apóstrofo é usado em quatro casos distintos: •  a) ex.: d’Os Lusíadas; •  b) ex.: d’Ele, n’O, lh’A; •  c) ex.: Sant’Ana; e •  d) ex.: borda-d’água.

     Há, nos quatro casos, cisões com elisão de vogal. 

     No entanto, em b) admite-se que não haja elisões e se inverta a cisão já feita, para realce da forma pronominal: •  no era  em O, agora com realce, e fica  n’O (a maiúscula no interior: *nO seria contrária às regras). 

     Contudo, no caso de lo, acontece que é, ela própria, uma forma pronominal: pronome possessivo oblíquo da 3.ª pessoa (arcaica, era também: artigo definido e pronome demonstrativo, do latim ilu-, aquele). Assim, não parece que sejam legítimas as formas acima *“adorá-l’O, acusá-l’O, Amá-l’O”. Sublinha-se que, de facto, no exemplar do Evangelho em meu poder editado pela Difusora Bíblica, se lê em Mateus 2, 2: «Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? ..... Viemos adorá-Lo» O realce quanto à divindade é dado pela maiúscula inicial do pronome lo; ora, se será de esperar o máximo cuidado com o realce na veneração, é da parte da redação oficial do Evangelho. Também é este critério que uso.

 

     Parecer pessoal com tolerância:

    Repare-se, porém, que no exemplo lh’A (para a Mãe de Jesus) a norma dá alguma liberdade. Já não temos uma substituição com realce `do pronome como seria antes da cisão, mas também a conversão do pronome reto em oblíquo Ela A, e é este último que se realça na conjugação pronominal. Então, penso que “não estamos a violentar a língua” se considerarmos que o l, em lo, é arcaico, e que, nas formas pronominais em apreço, com l’O, o que nos interessa é sublinhar o pronome pessoal O, pois o l não nos diz nada quanto à divindade. Neste raciocínio, não vejo como se possam recusar as formas em dúvida. A língua é generosa.

Ao seu dispor

D´Silvas Filho
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome