O género dos nomes das letras - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O género dos nomes das letras

A minha língua materna é o castelhano porque nasci na Venezuela.

Sempre tive uma curiosidade que é a seguinte:

Qual é a razão para que as letras, sejam femininas em conjunto («as letras») mas quando se designam de forma individual passam a mudar de género («um A», ou «um B»)?

Isto chama a minha atenção porque em castelhano diz-se «las letras» e logo cada uma continua a ser feminina apesar do número «una A» ou «una B».

Muito obrigado.

Victor Ascensão Designer Castelo Branco, Portugal 6K

Tudo depende da tradição criada em cada língua a respeito da palavra subentendida pelas letras quando se usam sozinhas: «la (letra) A» (castelhano) vs. «o (som/sinal) A» (português). Com efeito, ao contrário do espanhol, que subentende sempre a palavra letra, o português segue o francês ao atribuir o género masculino aos nomes das letras, subentendendo a palavra som ou sinal, ou outra equivalente do género masculino: o a, o b, o c; cf. francês — «le a, le b».1 Assinale-se que na primeira gramática de português, a de Fernão de Oliveira, publicada em 1536, já se usa, por um lado, a expressão «letra d» e, por outro, «o g», quando se usa apenas o nome da letra.

1 Um pequeno grupo dos nomes das letras já foi do género feminino: f, h, l, m, n, r, s, x (ver Genre des Lettres). No italiano (ver sítio da Accademia della Crusca), há oscilações que dependem da palavra que se possa subentender (o feminino lettera, «letra», ou os masculinos suono e segno, respectivamente, «som» e «signo»).

Carlos Rocha
Classe de Palavras: substantivo