O ensino do português a chineses - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O ensino do português a chineses

Sou brasileiro e estudo chinês há alguns anos, por isso estou tendo a oportunidade de ensinar português para falantes nativos de chinês, embora já tivesse observado que os chineses não "captam" (não conseguem ouvir) a diferença entre os fonemas das letras "B" e "P" e entre os da letra "D" e "T" do português. Recentemente nas aulas que ministro de português enfrentei essa situação, ao ensinar os fonemas citados, constatei em meus alunos essa dificuldade. Gostaria de sugestões para que de forma simples pudesse ajudá-los.

Grato.

Artur Castro Administrador Rio de Janeiro, Brasil 4K

É verdade que certos fonemas do português são indistintos para os falantes de origem chinesa. Aos que o consulente refere, entre os quais há apenas uma diferença de vozeamento (surdo/sonoro), acrescentamos ainda outros dois: /l/ e /r/, que também são problemáticos para alunos chineses.

Ora, há pouca ajuda a dar nesta situação específica, já que os falantes não distinguem os sons em questão. Contudo, os estudantes chineses são famosos pela sua memória fotográfica, logo, apesar de na oralidade não conseguirem, na maior parte dos casos, distinguir pares mínimos como pata/bata, puxa/bucha, dia/tia, dente/tente, ou mar/mal, ao aprenderem a grafia destas palavras e o seu significado, raramente dão erros e não têm qualquer dificuldade na escrita e leitura das mesmas. Aconselhamos, pois, a que se pratiquem mais exercícios escritos, de modo a que os alunos memorizem as palavras.

Na oralidade, acreditamos que este fenómeno não interfere com a inteligibilidade, pois, se pensarmos bem, não há assim tantos pares mínimos que não se desambigúem simplesmente no contexto (frase/situação). Lembremos, por exemplo, que em regiões no Norte de Portugal também não se faz distinção entre /b/ e /v/, e não é por isso que não nos entendemos.

Esperamos ter ajudado e apresentamos os nossos parabéns pela promoção da língua portuguesa no mundo, através do ensino de PLE.

Ana Carina Prokopyshyn
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Fonética; Léxico