Guileje (e não "Guiledje") - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Guileje (e não "Guiledje")

Povoação no Sul da Guiné-Bissau, na região de Tombali, junto à fronteira com a Guiné-Conacri, Guileje foi um importante aquartelamento das tropas portuguesas durante a guerra colonial.

Construído em 1964, foi sitiado e tomado pelo PAIGC em 22 de Maio de 1973. No tempo do colonialismo, escrevia-se Guileje (vd. página com a carta da Guiné dos Serviços Cartográficos do Exército (1961). Os guineenses e os cooperantes portugueses na Guiné-Bissau têm hoje tendência para escrever Guiledje ou até Guiledge.

Vd. por exemplo:

http://didinho.no.sapo.pt/guinegadamael.html
http://www.adbissau.org/projectoguiledje.php

Pergunto ao Ciberdúvidas: qual é a grafia correcta?

Luís Graça Portugal 5K

Como diz — e atestam os registos mais credíveis que cita1 —, sempre se escreveu Guileje.

Portanto, a grafia Guileje, sem o d, é a única correcta, dado que em português normal não existe grupo consonântico dj, nem tch, o modo correspondente. Por isso, é incorrecto igualmente escrever "Tchecoslováquia", em vez de Checoslováquia, apesar de em checo a palavra começar por tal som, grafado C (um c com acento circunflexo invertido). Mas o som tch foi o do ch em português até ao princípio do século XIX, e ainda hoje se ouve no Norte do Portugal.

Resumindo, é mesmo assim que se deve continuar a grafar o nome desse aquartelamento das tropas portuguesas durante a guerra colonial, na Guiné-Bissau: Guileje.

A corruptela do "dje" (e a do "g") pressupõe um mau domínio da ortografia da nossa língua, com outros conhecidos infelizes exemplos — como é essoutra (má) tendência (no caso, em Angola) de se ter passado a escrever com as letras Kw nomes e topónimos que em português sempre se escreveram, e escrevem, com Qu.

1 Também era assim que se grafava no título do excelente documentário "De Guileje a Gadamael — o corredor da morte", da autoria do jornalista José Manuel Saraiva e do realizador Manuel Tomás, exibido no canal de televisão português SIC, em 1998.

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Fonética; Ortografia/Pontuação