«Considerar de»? - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Considerar de»?

Quero antes parabenizá-los por este excelente sítio que, acredito, tem ajudado muitos a eliminar dúvidas de nossa língua.

Cá em meu país, nos círculos jornalísticos, tem-se criado uma série de expressões estranhas. E como apreciador do bem falar, venho expor uma dúvida.

Exemplo:

«O Sr. Governador considerou a visita de positiva», «considerou de positivo» e por aí fora.

Esse tipo de frase está, ou não, correto?

Saudações!

Cláudio Almeida Técnico Luanda, Angola 8K

A frase não está correta, porque o verbo considerar não tem predicativo do complemento direto introduzido por preposição de.1 A frase gramatical corresponde, portanto, a «o Sr. Governador considerou a visita positiva», e não a «...considerou "de" positiva».

Observe-se que o verbo considerar é um verbo transitivo predicativo, ou seja, requer um complemento direto e um predicativo do complemento direto. O predicativo do complemento direto não é, regra geral, introduzido por uma preposição:

(a) O júri considerou as propostas interessantes.

(b) O juiz declarou o réu inocente.

(c) A teimosia da Clara tornou a conversa impossível.

(d) Este creme deixa a pela macia.

(e) O Tiago acha a colega inteligente.

Nos exemplos (a)-(e), verifica-se que os vários verbos transitivos predicativos (considerar, declarar, tornar, deixar, achar) estão associados a um complemento direto («considerou as propostas...», «declarou o réu...», «tornou a conversa...», «deixa a pele...», «acha a colega...») e a um predicativo do complemento direto sem preposição («considerou... interessantes», «declarou... inocente», «tornou...impossível», «deixa... macia», «acha... inteligente»).

Observe-se, no entanto, que considerar admite um predicativo do complemento direto introduzido por como: «Considero-o como o primeiro dos precursores do espírito moderno» (Antero de Quental, citado por Celso Cunha e Lindley Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, 1984, p. 147). Contudo, não é possível juntar a conjunção como ao predicativo do complemento direto, quando este é realizado por um grupo adjetival (ver Dicionário Gramatical de Verbos Portugueses, coordenado por J. Malaca Casteleiro, Lisboa, Texto Editores, 2007): *«Considero este pensador "como interessante".»

Na frase que está incorreta, o uso agramatical de considerar com preposição de parece ocorrer por analogia (ilegítima) com chamar, verbo cujo predicativo do complemento direto pode ser introduzido pela preposição de:

(f) Em casa, chamam-no de Kiko.

O uso ilustrado em (f) está correto (ver Celso Cunha e Lindley Cintra, idem, p. 518).

Resta-nos agradecer os cumprimentos ao Ciberdúvidas.

Sandra Duarte Tavares
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Sintaxe