Candidata a governadora, de novo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Candidata a governadora, de novo

Discordo da resposta de Ciberdúvidas à consulta sob o título "Candidata a governadora". Se a postulante for eleita, deverá ser tratada como governadora, mas enquanto não o for, será, sempre, uma candidata a governador. A lógica, penso, é a seguinte: não se diz "Paulo e João são candidatos a governadores", e sim "Paulo e João são candidatos a governador". Há, aí, uma perfeita compreensão de que ambos são concorrentes ao cargo de governador. Da mesma maneira, deve-se subentender que "Maria é candidata a(o cargo de) governador". A invariabilidade do gênero, nesse caso, denota que, enquanto não estiver concluído o processo eleitoral, é impossível antecipar-se concretamente qual será o sexo do futuro ocupante do cargo de governador. Estas considerações, evidentemente, não são válidas se todas as demais candidatas ao cargo forem do sexo feminino.

 

Inácio Bicalho Venezuela 1K

Na resposta em causa, apresentei a minha opinião e a oposta. Inácio Bicalho concorda com esta e discorda da minha – que está de acordo com respostas anteriores, nomeadamente de F.V. Peixoto da Fonseca (ver a resp. ant. Grau de doutora, mais uma vez).

Presumo que, dentro de alguns anos, quando mais mulheres exercerem mais cargos tradicionalmente reservados aos homens, esta concordância deixe de causar controvérsia.

Tal como diz, "Paulo e João são candidatos a (o cargo de) governador".

"Maria e Manuel candidatam-se ao cargo de governador", porque, havendo um sujeito feminino e outro masculino, a concordância se faz com o masculino, que tem aqui a função de uma espécie de género neutro.

Nenhum destes dois exemplos se me afigura controverso. Onde as opiniões se dividem é em orações como as seguintes: "Maria candidata-se a governadora", "Maria candidata-se ao cargo de governadora", "Maria concorre ao grau de doutora", etc. Defendo que, estejam ou não concluídas as eleições ou as provas, o que interessa é o cargo que ela se propõe exercer ou o grau a que se habilita. Se entendemos que ela poderá exercer o cargo de governadora ou poderá receber o grau de doutora, não vejo motivos para empregar outra concordância só porque ainda se não concluiu o processo.

Posso perceber, sim, que se diga: "Maria é governadora", isto é, "exerce o cargo de governador", ou "Maria é doutora", isto é, "tem o grau de doutor", porque o masculino, neste caso, funcionaria como neutro. Então, porque discordo? Muito simplesmente, porque este neutro, aplicado ao nome de um cargo exercido por uma mulher, exprime toda uma tradição machista. Exemplifiquemos: "Maria exerce o cargo de dona-de-casa". Segundo a teoria que contesto, dever-se-ia dizer: "Maria exerce o cargo de dono-de-casa." Ninguém diz assim, porque, até há pouco tempo, a nossa sociedade separava claramente os conceitos de dono da casa e dona-de-casa. O dono da casa podia ser homem ou mulher (a dona da casa), mas a dona-de-casa nunca era um homem.

João Carreira Bom