Asmoneus ou asmonianos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Asmoneus ou asmonianos

Seria "Hasmoneus" ou "Asmoneus" a denominação daqueles reis judeus também conhecidos como Macabeus?

Creio que todas estas formas admitiriam flexões de gênero e número, não? Também funcionam ora como substantivos próprios, ora como adjetivos, não?

Quando devem ser escritas com inicial maiúscula ou minúscula?

Poderiam dar exemplos em todos os casos?

Obrigadíssimo eternamente.

Ney de Castro Mesquita Sobrinho Vendedor Campo Grande, Brasil 6K

Só num artigo da Wikipédia encontro Hasmoneus; noutras fontes a palavra não tem h inicial. Na verdade, a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (Página Editora, 1998) regista Asmoneus, sem h, que é o mesmo que Asmoneanos, «nome por que se designa a família dos macabeus, originária de Asmon, a qual governou a Judéia durante um período de 126 anos» (mantive a ortografia do original). Estas formas são confirmadas por José Pedro Machado, que as regista no seu Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa.

No Dicionário Houaiss, ocorre asmoniano, sem h e com o sufixo -iano, à semelhança de termos como açoriano e cabo-verdiano. A forma está correcta, na medida em que asmoniano deriva de Asmon e não da sequência asmone- deduzida de asmoneu.1 Estes termos usam-se como adjectivo e substantivo, admitindo contraste de género e flexão em número: asmoneu, asmoneia (como macabeia), asmoneus, asmoneias; asmoniano, asmoniana, asmonianos, asmonianas. Têm a seguinte definição: «relativo aos asmonianos, de cuja família descendem os macabeus, ou indivíduo desse grupo [Os macabeus obtiveram a liberdade religiosa para os judeus em 162 a. C.] [...]» (idem).

Quanto à maiúscula inicial em nomes como estes, em Portugal, neste momento ainda se aplica o que prevê a Base XXXIX do Acordo Ortográfico de 1945: «Os nomes de raças, povos ou populações, qualquer que seja a sua modalidade [...], escrevem-se todos com maiúscula inicial, por constituírem verdadeiras formas onomásticas. Exemplos: os Açorianos, os Americanos, os Brasileiros, os Cariocas, os Hispanos, os Lisboetas, os Louletanos, os Marcianos, os Mato-Grossenses, os Minhotos, os Murtoseiros, os Negros, os Portugueses, os Tupinambás [...]1

A respeito do português brasileiro, o antigo Formulário Ortográfico de 1943 definia um critério diferente na Base XVI (2.ª, observação 2.ª): «Os nomes de povos escrevem-se com inicial minúscula, não só quando designam habitantes ou naturais de um estado, província, cidade, vila ou distrito, mas ainda quando representam coletivamente uma nação: amazonenses, baianos, estremenhos, fluminenses, guarapuavanos, jequíeenses, paulistas, pontalenses, romenos, russos, suíços, uruguaios, venezuelanos, etc.»

O Acordo Ortográfico de 1990, na sua Base XIX, parece omisso em relação a casos como estes. O mais que se pode ler é isto:

«Obs.: As disposições sobre os usos das minúsculas e maiúsculas não obstam a que obras especializadas observem regras próprias, provindas de códigos ou normalizações específicas (terminologias antropológica, geológica, bibliológica, botânica, zoológica, etc.), promanadas de entidades científicas ou normalizadoras, reconhecidas internacionalmente.»

De qualquer maneira, é necessário clarificar o uso de maiúscula inicial em designações de grupos humanos de diferentes dimensões.

1  A forma "asmoneano" será admissível apenas pressupondo uma base de derivação terminada em e tónico, como nos casos a seguir descritos nos Dicionário Houaiss (s.v. -iano):

«[...] só se escreverá -eano quando a sílaba tônica do derivante for um -e- tônico ou ditongo tônico com base -e- ou, por fim, em que, mesmo átono, o -e- for seguido de vogal átona: arqueano (Arqueu) cuneano (Cuneo/Cúneo), daomeano (Daomé), egeano (Egeu), galileano (Galileu), lineano (Lineu); os demais serão sempre em -iano acriano, camiliano, ciceroniano, eciano, freudiano, zwingliano etc. [...].»

Ora, se a Egeu, que termina em -eu, corresponde egeano, poderia pensar-se que a asmoneu, com a mesma terminação, deveria corresponder asmoneano. O problema é que existe uma palavra que é base de derivação das duas formas: Asmon. Sendo assim, segue-se o critério aplicado a substantivos e adjectivos derivados de nomes próprios acabados em -on, como Byron, que dá byroniano, e Washington, do qual resulta washingtoniano.

2 Na Base XXXIX do AO 1945, diz-se ainda: «Relativamente a todos estes nomes, note-se que é importante distinguir deles as formas que podem corresponder-lhes como nomes comuns e que, como tais, exigem o emprego da minúscula inicial: muitos americanos, quaisquer portugueses, todos os brasileiros [...]. Note-se ainda que os nomes de raças, povos ou populações mantêm a maiúscula inicial, quando empregados, por metonímia, no singular: o Brasileiro = os Brasileiros, o Mineiro = os Mineiros, o Minhoto = os Minhotos, o Negro = os Negros, o Português = os Portugueses, o Tupinambá = os Tupinambás

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: nome próprio