Análise da frase «já é dia» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Análise da frase «já é dia»

Gostaria de saber como analisarmos a oração «Já é dia».

A minha pergunta é que tipo de predicado – nominal, verbal ou verbo-nominal?

E a palavra dia, qual é a função sintática – predicativo ou adjunto adverbial?

Grato pala resposta.

José Carlos de Oiveira Moura Estudante Aracaju – SE, Brasil 42

A frase apresentada pelo consulente é uma frase copulativa. As frases copulativas não constituem predicações de base verbal, porque o conteúdo nuclear da frase não é veiculado pelo verbo. Na frase apresentada, o conteúdo essencial é veiculado pelo nome dia. Por esta razão, considera-se que estamos perante uma predicação de base nominal.

A frase «Já é dia» ilustra um uso do verbo ser no qual ele exprime a localização temporal de um determinado momento, como acontece em frases do tipo:

(1) «É terça-feira.»

(2) «É feriado.»

(3) «São cinco horas.»

Frases desta natureza caracterizam-se por não terem um sujeito expresso, embora seja possível recuperá-lo semanticamente como correspondente ao momento da enunciação, entendido de forma mais ou menos lata1.

De um ponto de vista sintático, o constituinte dia tem a função sintática de predicativo do sujeito.

Disponha sempre!

 

1. Para maior aprofundamento desta questão, cf. Raposo et al., Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 1327-1330.

Carla Marques
Classe de Palavras: verbo
Campos Linguísticos: Funções sintácticas