Ainda sobre o mirandês como língua - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda sobre o mirandês como língua

Se, como li no Ciberdúvidas, o mirandês não passa de um dialecto politicamente elevado a língua, pergunto, porque discordo:

1.º – como diferenciar o dialecto mirandês, que a maioria dos portugueses não entende (salvo algumas palavras), do brasileiro ou do alentejano que qualquer português compreende, excepto nos casos de pronúncia muito "cerrada"?
2.º – Não se deveria então considerar o catalão como um dialecto elevado a língua?...
3.º – E o galego: é um dialecto ou uma língua de Espanha? Ou não será um dialecto português da Península? Compreende-se melhor o galego que o mirandês (quando falados devagar e sem pronúncias regionais)!

José Maria Sá Portugal 3K

O que distingue uma língua de um dialecto é sobretudo o diferente estatuto sociopolítico. Costumava-se dizer que uma língua (oficial) era a que tinha forças armadas, partindo do pressuposto que é soberano o Estado que a adopta. No entanto, nem sempre é assim, e na Europa há já experiências de países com línguas co-oficiais ou de outros que tinham dialectos pertencentes a diferentes sistemas históricos que adquiriram estatuto oficial. É este o caso da Espanha, que, para além do castelhano como língua oficial, tem o catalão, o basco e o galego como co-oficiais na Catalunha (também das ilhas Baleares; no País Valenciano com muita polémica), no País Basco (com Navarra) e na Galiza.

Julgo que a sua primeira pergunta parte da ideia de que o mirandês é um dialecto do português, o que não é verdade. O mirandês é um dialecto asturo-leonês em território português; historicamente, forma, portanto, parte do grupo de dialectos que subsistem no Norte de Espanha, designadamente, nas Astúrias e em Leão. Daí que provavelmente o mirandês seja mais difícil de entender que os dialectos brasileiro e alentejano, apesar do intenso contacto que aquela língua manteve com os dialectos portugueses de Trás-os-Montes.

Em segundo lugar, é verdade que o catalão já teve praticamente o estatuto de dialecto entre os séculos XVII e XVIII. Contudo, a “Renaixença”, ou seja, o renascimento catalão no século XIX (a coincidir com o Romantismo e a Revolução Industrial), guindou esse “dialecto” ao estatuto de língua.

Finalmente, o galego, que historicamente faz parte do sistema galego-português, encontrou-se durante muito tempo em estado dialectal em Espanha. Foi também no século XIX, com o Rexurdimento (no fundo, a construção da consciência nacional e linguística galega) que os dialectos galegos passaram por um processo que conduziu à actual norma galega e à sua afirmação como língua de cultura e da administração.

Concluindo, o termo dialecto pode usar-se para designar a filiação num sistema linguístico [p. ex., «o micaelense é um dialecto do português europeu], mas é hoje sobretudo usado para definir um estatuto sociocultural e político distinto do que é conferido a uma língua.

Carlos Rocha