Ainda o uso do plural majestático - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda o uso do plural majestático

No uso do plural majestático, numa resposta datada de 2003 sobre este tema, responderam que «quaisquer adjectivos ou particípios referentes ao sujeito devem concordar com este de acordo com o seu género e número naturais e não segundo o número gramatical do sujeito».

A minha dúvida diz respeito aos grupos que de alguma forma estejam também relacionados com o sujeito: num determinado texto, por exemplo, se nos quisermos referir aos filhos ou pais ou outra qualquer filiação, deve-se escrever «os nossos filhos», «os nossos tios» etc., ou o pronome mantém-se no singular? E quem diz os pronomes diz qualquer outra noção ou coisa respeitante ao sujeito?

Obrigado e parabéns por este sítio maravilhoso.

Maria da Conceição Escriturária Lisboa, Portugal 6K

Em primeiro lugar, importa contextualizar o uso do plural majestático. Não se usa em qualquer comunicação de índole informal, mas sim em comunicações com um elevado grau de formalidade. Por exemplo, apresentação de uma comunicação num congresso, ou defesa de uma dissertação ou de uma tese. Nestes contextos, dificilmente o orador irá falar de seus filhos, pais, tios, etc.

Mas pode falar da sua investigação, ou das suas pesquisas. Nesse caso, o sujeito, se opta pelo plural majestático, vai usar os pronomes correspondentes à primeira pessoa do plural, nosso, nossa. E usará esses pronomes no singular ou no plural consoante o elemento que pretenda referir seja singular ou plural. Assim, se quiser referir-se à sua pesquisa, enquanto palavra no singular, poderá dizer, por exemplo, «ao longo da nossa pesquisa…». Se, porém, quiser salientar o carácter diverso dessa pesquisa e preferir usar o plural, dirá «ao longo das nossas pesquisas…»

O que fica no singular é, normalmente, o predicativo do sujeito, que, em vez de concordar gramaticalmente com o sujeito «(Nós) fomos confrontados», vai concordar com a entidade emissora, incluindo as marcas de singular e do género a que pertença o orador: «fomos confrontado» ou «fomos confrontada».

Concluo agradecendo as suas palavras simpáticas.

Edite Prada
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome