Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda as formas "estivésteis", "fôsteis", "comêsteis"

Só gostaria de deixar o meu comentário: as formas "fôsteis" e "estivésteis" também poderiam ser fruto do contato com o espanhol, que diz fuisteis e estuvisteis na segunda pessoa do plural, partindo do pressuposto que se trata de áreas fronteiriças. Se não forem áreas contíguas, naturalmente não terá sentido a minha teoria.

Luciano Eduardo de Oliveira Professor Botucatu, Brasil 4K

Pode ser como sugere, por contacto com o castelhano, mas a tendência para regularizar por analogia as segundas pessoas do pretérito perfeito parece ter constituído um pequeno fenómeno de área linguística, muito vivo nas línguas e nos dialectos ibero-romances do Centro e do Ocidente da Península Ibérica. Ou seja, a sua sugestão tem todo o cabimento na explicação das variantes em causa mediante o contacto de falantes de português europeu com falantes de castelhano. Contudo, pode também ser enquadrada pela relativa facilidade de comunicação entre as regiões ibéricas até ao século XVII, situação que favorecia a difusão de inovações linguísticas mesmo em zonas mais afastadas das fronteiras entre reinos. As formas analógicas da segunda pessoa do plural podem, portanto, constituir um testemunho dessa variação do português num antigo contexto linguístico mais vasto.

Carlos Rocha
Tema: História da língua Classe de Palavras: verbo