Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A pronúncia do erre de rato e carro

A minha dúvida está relacionada com a pronuncia do R, pois tenho reparado que algumas pessoas pronunciam o R no início das palavras de forma diferente, pronunciando-o quase como o R em cara, e não tão carregado como se estivesse a arranhar a garganta. Porquê?

Outra dúvida é se essas diferenças são devido a sotaques específicos do local em questão, ou se é devido a outro fator, como a forma que a pessoa diz a palavra. É uma dúvida que tenho e gostaria imenso de ver esclarecida.

Obrigada.

Rita Machado Portugal 523

Trata-se de uma pronunciação que é muito anterior à que atualmente cada vez mais pessoas em Portugal tendem a ter.

Antigamente, entre a maioria da população portuguesa, o r inicial – em rolha – e o que ocorre no meio de uma palavra – representado na escrita por rr como em parra – soava como o rr múltiplo do espanhol (por exemplo, em rrafo), o qual, em terminologia linguística, é identificado como uma consoante vibrante apical múltipla. Hoje, muitos falantes, sobretudo os mais jovens, produzem-no como se fosse um r à francesa («como se arranhasse a garganta»), isto é, como uma vibrante uvular múltipla.

A razão desta mudança encontra-se, por um lado, na evolução natural (ou deriva) do sistema fonológico do português e, por outro, na variação regional, pois este tipo de r – terá surgido no litoral, sobretudo na região de Lisboa, donde se espalhou para o resto deste país. Observe-se que o r simples de cara não se alterou, continuando a ser uma consoante uma vibrante apical simples.

Carlos Rocha