Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A etimologia de baliza

Ao estudar léxico relativo ao futebol, deparei-me com a seguinte dúvida: se a palavra "football" deu origem a "futebol", como se explica que "goal" («baliza») não tenha dado origem a outra palavra que não "baliza"? Qual é a origem etimológica de "baliza" e quando começou a ser utilizada?
Obrigada.

Sofia Aragão Professora Porto, Portugal 2K

Qual a razão para usar o termo português e abandonar o inglês “goal”? A explicação não é fácil, mas parece inserir-se na tendência que tem havido, pelo menos, em Portugal, para aportuguesar o vocabulário relacionado com o futebol.

Em relação à etimologia, três dos dicionários consultados (Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa de José Pedro Machado; Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa e Grande Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora) concordam todos que a origem da palavra baliza é o latim ‘palĭtia’, por sua vez, palavra derivado de ‘palu-, «pau, estaca». Mas há divergências quanto à passagem da forma latina para a portuguesa.

O Grande Dicionário da Língua Portuguesa indica que baliza surgiu por via do francês “balise”, aproximando-se de Silveira Bueno (Grande Dicionário Etimológico Prosódico da Língua Portuguesa, 1963-1967), que considera que a palavra portuguesa deriva dessa forma francesa. José Pedro Machado regista a etimologia proposta por Corominas e Pascual (Diccionario Etimológico Castellano e Hispánico), segundo a qual a palavra é de origem moçarábe, isto é, apareceu nas dialectos romances que se falavam no Centro e no Sul da Península Ibérica durante o período muçulmano; mas adverte que esta hipótese terá de ser mais apoiada.

A reserva de Machado é compreensível, quando pensamos que p inicial não teria, em princípio, alteração do latim para o moçárabe, tal como nas outras línguas românicas. O que se pode supor é, sim, uma transmissão da palavra através do árabe, língua que não tem contraste entre [p] e [b], havendo uma neutralização em [b].

Carlos Rocha