João Querido Manha - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
João Querido Manha
João Querido Manha
1K

João Querido Manha (Alcanena, 1958) é um jornalista português, ex-diretor do Expresso e do Record. Colaborou com o Correio da Manhã, o Record, a TVI e a TSF. Como repórter, esteve sempre ligado ao desporto, tendo participado nos Jogos Olímpicos, nos Campeonatos do Mundo de Futebol FIFA ou no Mundial de Fórmula 1. É coautor da Crónica de Ouro do Futebol Português e atualmente comentador da TVI24.

 
Textos publicados pelo autor

A palavra cantera, do castelhano, significa «exploração de pedra a céu aberto ou mina para extracção de minerais ou material de construção». O vocábulo equivalente em português é pedreira.

Desde 1947, quando uma filial do Real Madrid, a Agrupación Deportiva Plus Ultra, da segunda divisão, se converteu no primeiro projeto conhecido de desenvolvimento de jovens jogadores, foi-lhe atribuído o nome de cantera, em sentido figurado, com o significado de ser um local de exploração e desenvolvimento de talentos para o futebol. A partir dos anos 60, alguns jornalistas portugueses adoptaram o termo para se referirem igualmente às escolas de formação dos clubes nacionais e o termo generalizou-se.

A palavra portuguesa correta é «viveiro de jogadores», que, no entanto, caiu em desuso no final do século.

 

N. E. (31/1/2017) – Atualmente, as páginas da Internet registam ocorrências de «viveiro de jogadores» (agradece-se ao consultor Luciano Eduardo de Oliveira a chamada de atenção), mas não parece tratar-se de um uso generalizado.

Imagem de destaque do artigo

Em Portugal, os profissionais de rádio e de televisão, salvo raras exceções, pronunciam o apelido do jovem futebolista do Benfica Renato Sanches como se se tratasse de um mexicano – logo, "Sánchez", com z –, sendo responsáveis pela disseminação do erro entre os adeptos em geral, não obstante o jogador só aparecer em público com o nome estampado corretamente nas costas da camisola. Não saberão ler? (...)

Imagem de destaque do artigo

Um jornalista do Diário de Notícias ousou recorrer ao jargão informático numa notícia sobre os efeitos do anúncio do abandono do jogador de basquetebol Kobe Bryant.

(...)

Ainda se pode dizer que são duas modalidades distintas por causa da evolução das regras do futsal, desde que passou à supervisão da FIFA, mas numa explicação simples diria que o futsal é o futebol de salão moderno, enquanto o futebol de salão original está em fase de extinção.

As diferenças entre futebol de salão e futsal limitam-se a algumas regras que influenciam a dinâmica do jogo, como o lançamento lateral e cantos à mão ou as restrições da área de baliza (não se pode marcar golos lá dentro, e o guarda-redes não pode jogar fora dela), que não se aplicam ao futsal. Também o recinto de futebol de salão pode manter tabelas, que são elementos neutros do jogo, podendo ser usadas pelos jogadores, reduzindo o número de paragens do jogo.

A bola do futsal é menos pesada, e os cantos e as reposições laterais fazem-se ao pé, permitindo mais liberdade de acção ao guarda-redes (que até pode ser substituído por um jogador de campo). Também não tem restrições ao jogo pelo ar.

Enquanto o futsal pode ser jogado só por 5 jogadores por equipa e sob as regras da FIFA, o futebol de salão é mais versátil e adapta-se ao tamanho dos recintos. Nos Estados Unidos e no Canadá, joga-se com 6 por equipa, enquanto na Europa central (Alemanha, Suíça e França) chegam a equipas de 7.

No entanto, a grande diferença é de ordem administrativa e histórica.

A palavra futsal1 foi inventada pela Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA), quando a FIFA proib...

Atordoada = Adormecida, Estonteada, Entontecida, Insensibilizada, Maravilhada, Pasmada

Atoarda = Boato, Rumor, Toada, Galga

O ex-presidente do Benfica João Vale e Azevedo utilizou uma vez, numa entrevista televisiva, a palavra atordoada com o sentido de atoarda e veio mais tarde penitenciar-se pelo erro, mera dislexia pontual no calor da argumentação.