Ensinar gramática - Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Ensino Artigo
Ensinar gramática
Ensinar gramática
Por que método?

«Será que o ensino tradicional falha redondamente na ação de melhorar competências de uso da língua?»

Apesar das várias tentativas e propostas teóricas para alterar o ensino da gramática, fazendo com que ela esteja implicada nas atividades de leitura e escrita a levar a cabo pelos alunos, a verdade é que é o ensino tradicional que vigora. Sabemo-lo pela análise de manuais escolares e de perguntas de exame do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE). O ensino tradicional é aquele que assenta na apresentação de terminologia e princípios que governam o uso padrão da língua, acompanhada de exemplos isolados, a que se segue a realização de uma bateria de exercícios de aplicação. Este ensino tradicional foi, portanto, imune a teorias que propõem o ensino da gramática através de um modelo indutivo, em que é o aluno que vai descobrindo padrões e regularidades na língua. Mas o ensino tradicional foi também indiferente a outro tipo de teorias: as teorias que advogam que se estude o mínimo de gramática pelo máximo de benefícios, ou seja, teorias que propõem estudar-se apenas a gramática quando há bloqueios na leitura ou na escrita.

Estas teorias pressupõem que o ensino tradicional da gramática poucos ou nenhuns ganhos traz para os desempenhos comunicativos dos alunos. Mas será que é mesmo assim? Será que o ensino tradicional falha redondamente na ação de melhorar competências de uso da língua?

Para responder, ainda que parcialmente, a esta questão, desenvolvi um estudo em três escolas públicas do país, nos distritos do Porto e Viseu, envolvendo 120 alunos. O estudo visava várias tarefas de reescrita nas quais os alunos, indiretamente, tinham de fazer uso de alguns conhecimentos sobre derivação. Os 120 alunos foram divididos em dois grupos. No grupo em que a derivação foi trabalhada, pelo modelo tradicional, houve um ganho em média de quase um valor; o grupo que fez as tarefas de reescrita sem previamente ter estudado a derivação apresentou resultados com um diferencial negativo.

Apesar de estes resultados não apresentarem uma diferença muito acentuada entre um grupo e outro, eles são, ainda assim, significativos e sugerem que os alunos beneficiam da exposição a um enquadramento estruturado de fenómenos linguísticos. O principal objetivo de estudos como estes é frisar que qualquer alteração que se queira implementar no ensino deverá partir dos resultados das práticas que estão há décadas no terreno, e não da assunção apriorística de que o que está está 100% mal.

Sobre a autora

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa