Medalha das comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Medalha das comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa
1K

associação dinamizadora das Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa promoveu em Lisboa, na presente data, ao lançamento da  respetiva medalha evocativa das celebrações que decorrerão até ao dia 10 de junho de 2015.

A medalha – anunciada propositadamente para coincidir com a celebração dos 800 anos do documento oficial mais antigo redigido em português: o Testamento de Afonso II1, terceiro rei de Portugal – é da autoria do escultor Fernando Fonseca, selecionado após concurso internacional.  É uma medalha em prata de lei, contrastada, de 36mm (imagem ao lado2).

Anteriormente, a 5 de maio, o início destas comemorações – escolhido por ser o dia instituído como o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP – foi assinalado com o lançamento da emissão filatélica conjunta aprovada pelos operadores postais de todos os países de língua oficial portuguesa, simbolizada pelo selo emitido em Portugal (ilustração ao lado).

No mesmo dia 5 de maio, foi lançado em simultâneo o selo no Brasil, em São Paulo, e em Cabo Verde, na Cidade da Praia, esperando-se idêntica iniciativa nos restantes cinco países da CPLP.

Informações mais detalhadas podem ser recolhidas na página oficial da entidade promotora destas comemorações, aqui.

 

 

O dia escolhido pelos promotores destas comemorações para o lançamento da medalha a elas alusiva, foi, precisamente, para assinalar os 800 anos do Testamento de D. Afonso II. Datado de 27 de junho de 1214, avulta entre os primeiros textos redigidos em língua portuguesa; e, dada a sua natureza, é considerado o documento oficial mais antigo escrito em português.

Sabe-se que do Testamento de D. Afonso II de Portugal se fizeram 13 cópias, das quais apenas parecem restar duas na atualidade: uma está guardada na Torre do Tombo, em Lisboa, e outra, em Toledo (cf. Ivo Castro, Introdução à História do Português, Lisboa, Edições Colibri, 206, p. 97). A cópia de Lisboa teve três edições (cf. ibidem): Pedro de Azevedo, "Testamento em português, de D. Afonso II (1214)", Revista Lusitana, VIII, 1905-1905, pp. 80-84); J. Leite de Vaconcelos, Lições de Filologia Portuguesa, Lisboa, Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional, 1911, pp. 69-101; e Pe. Avelino de Jesus da Costa, "Os mais antigos documentos escritos em português", Revista Portuguesa de História, XVII, 1979, pp. 307-321 (ver versão em linha aqui). A cópia de Toledo foi descoberta pelo Pe. Avelino Jesus da Costa (1908-2000), que a deu a conhecer no mesmo estudo científico de 1979 (cf. ibidem).

2 Duas imprecisões na moldagem da medalha: Guiné-Bissau grafa-se com hífen, e devia ser Timor-Leste, o nome de facto do país, e não, simplesmente, "Timor".