Um 1.º [de Maio] não é propriamente um 1º [de Maio] - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Um 1.º [de Maio] não é propriamente um 1º [de Maio]
Um 1.º [de Maio] não é propriamente um [de Maio]

A passagem de Dia do Trabalhador em Portugal deu de novo visibilidade à confusão recorrente1 na grafia da abreviatura do ordinal [1.º] com a do símbolo da unidade de temperatura [1º]. Tão simples quanto isto: qualquer abreviatura incluindo a dos números ordinais leva o ponto, como sinal disso mesmo; nenhum ponto, no caso dos símbolos e unidades de medida.

 

1 Uma confusão recorrente em vários registos, alguns deles nada abonatórios do rigor da informação aí divulgada – anos e anos a fio.

 

N.E. (30/04/2018)  1.º de Maio escreve-se com M maiúsculo, neste sentido da celebração do Dia do Trabalhador. Noutro diferente contexto, maio, como os demais meses do ano, passou a grafar-se com a letra inicial minúscula. Assim o prescreve, quanto às datas históricas, festas ou festividades  a e) do ponto 2 da Base XIX do Acordo Ortográfico de 1990. Portanto: o 1.º de Maio, o 25 de Abril, o 10 de Junho, 5 de Outubro, o 1.º de Dezembro, etc.; mas: a 1 de maio, no dia 25 de abril, a 10 de junho, em 5 de outubro, na data de 1 de dezembro, etc. *

* Acontece o mesmo com o castelhano, como lembra esta recomendação da Fundação para Espanhol Urgente (Fundéu): Primero de Mayo en mayúscula, pero puente de mayo em minúscula.

 

Cf. O caso da primeira mordoma de Tomar na Festa dos Tabuleiros, as marcas da toponímia portuguesa e a capicua do 25 de Abril

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.