Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho
Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.

Um parecer do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, sobre contenção de custos no Serviço Nacional de Saúde em Portugal (nomeadamente na medicação em doentes terminais), deu azo à confusão entre «racionalização» e «racionamento», aqui abordado pelo jornalista Wilton Fonseca, no jornal “i” de 8-10-2012.

 

A língua portuguesa vale 17 por cento da economia. A headline vem no “Público” que, desenvolve o assunto, num article a páginas tantas, lá mais inside, no miolo do newspaper. A revelação (revelation?) já mereceu a lot of stories e essays na press. Este milagre deve ser o result de algum upgrading dos magnifícos and magnificents advisores que o Cabinet está sempre a contratar. Ainda agora foram mais seis...

Equívocos à volta do uso dos termos racionalização e racionamento (na medicação de doenças particularmente graves) e de devolução e reposição (de subsídios cortados). Com uma recomendação para o recurso – «intensivo, quando não obrigatório» – ao Ciberdúvidas. In jornal i de 29/09/2012.

 

(...) É consabido que o português é uma língua difícil e traiçoeira e, por isso, convém que quem a usa publicamente o faça com grande rigor. Duas situações recentes [em Portugal] são particularmente ilustrativas.

«Como flagelo que será motivo de muitíssimas notícias no futuro, o desemprego já deveria estar a ser tratado com respeito e consideração […] Para fazer referência à taxa, o jornalista pode dizer “a taxa do desemprego em Portugal é elevada, se comparada com a taxa europeia”; mas não pode deixar a taxa de lado e dizer “o elevado número do desemprego”, para significar o elevado número de desempregados.» alerta Wilton da Fonseca na sua crónica no jornal português <a href="http://www.ionline.p...

«Um disse “modelar”, o outro disse “modular” […]. Apesar de pouco exigentes – na escolha dos seus governantes e dos jornais que compram – os leitores sabem que com “modelação” ou com “modulação” vão acabar por abrir o bolso ainda mais e continuar a ser servidos por quem não tem respeito pela língua portuguesa.» Os equívocos à roda do uso dos dois verbos são tema da crónica do jornalistas  Wilton Fonseca,  publicada no jornal i de 24 de setembro de 2012.

 

Imagem de destaque do artigo

A resistência às manifes e o vezo às “manifs” voltaram a emergir, um pouco por todo o lado, nos registos jornalísticos das grandes manifestações de 15 de setembro, contra a austeridade e as medidas recessivas em Portugal e por toda a Europa, em geral. E, claro, nos comentários e escritos deixados na blogosfera, por regra ainda mais descuidados. É repetido, mas não custa nada lembrar o que Carlos Rocha já clarificara no anterior apontamento "Manifs" e manifes:

«”Deflagrar”, “lavrar”, “consumir”, “prejuízos incalculáveis”, “cortina de fumo” estão no “top ten” dos jornalistas quando há incêndios», lembra o ex-diretor da agência Lusa, neste apontamento à volta do recorrente mau emprego do verbo evacuar nos media portugueses. In jornal i de 10 de setembro de 2012.

«… o resultado foi devastador: água por todos os lados, tiros certeiros na gramática e a língua a pique, tendo surgido, aos borbotões, “emersões” e “imersões”, “emergíveis”, “imersíveis” e “imergíveis”». Texto publicado no jornal “i” de 27/08/2012, na coluna do autor “O ponto no i”.

 

Imagem de destaque do artigo

«Todos sabemos que não é só nos Jogos Olímpicos que Portugal fica aquém das metas e longe das medalhas. Mas se no desporto essas falhas têm sobretudo consequências para a moral nacional, na economia costumam ter preços bem mais altos.» Editorial do jornal Público de 24 de agosto de 2012, sob o título "Falta saber o preço de não atingir a meta".

 

Imagem de destaque do artigo

Medidas até podia havê-las, para o caso em apreço (o “vapor” «que vai faltando» à publicidade nos media portugueses, na televisão em particular). Não as havendo, o “h” naquele há medida que só mesmo pela medida grossa.