Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
«Museu Reina Sofia»... porquê?
«Museu Reina Sofia»... porquê?

A propósito dos 80 anos de Guernica, o emblemático quadro de Picasso alusivo à Guerra Civil espanhola, e da exposição consagrada à efeméride em Madrid, as notícias na imprensa portuguesa registaram invariavelmente o nome espanhol do museu, Reina Sofia. Reina, em português, não é rainha? Quando se referem à ex-monarca espanhola, ou à atual, chamam-lhes também reinas? E, já agora, porquê só uma parcela em espanhol, e não o nome completo original, Museo Reina Sofia?

Obviamente que nada disto faz sentido. Como não faria sentido, escrevendo-se e falando-se em Portugal – ou seja, para leitores, ouvintes e telespectadores portugueses –, que todo e qualquer outro museu estrangeiro fosse referido pelo nome original das suas línguas, e não pela forma aportuguesada de cada um deles. Faz parte das regras básicas da técnica jornalística a comunicação (mais) acessível ao comum dos falantes-recetores? Mas também seria preciso que o idioma nacional não fosse a realidade que é, hoje, no espaço mediático português.

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.