Os nomes e marcas históricas da toponímia portuguesa - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Os nomes e marcas históricas da toponímia portuguesa
Os nomes e marcas históricas da toponímia portuguesa
"De Cunhal a Salazar. Há ideologia nos nomes das ruas de Portugal (e muito mais)"

São ao todo 276 mil artérias com 82 mil nomes distintos que marcam a toponímia de Portugal, sendo que mais de metade delas são Ruas. A designação mais comum é Igreja, que perfaz 1611 topónimos no país. É também visível a grande presença do catolicismo no 'baptismo' do território. 

 Seguem-se, em peso nacional, os topónimos culturais. 

Mas há também os antropónimos e designações relacionados com os Descobrimentos: Bartolomeu Dias, Pedro Álvares CabralDiogo Cão e Gonçalves Zarco, Boa Esperança, Navegantes, Descobertas, Caravelas e Naus. Etc., etc, etc. Trata-se de um aprofundado trabalho do autor, que analisou a base de dados dos CTT (obtida via Central de Dados) com os  nomes e códigos postais do continente e dos arquipélagos da Madeira e do Açores. O texto e respetivo grafismo, sob o título  no original, "De Cunhal a Salazar. Há ideologia nos nomes das ruas de Portugal (e muito mais)", da autoria de Rui Passos Rocha – publicado no jornal digital Observador, no dia 21 de abril de 2018 – pode ser lido na íntegra aqui.

Fonte

Observador, dia 21 de abril de 2018.

Sobre o autor

Rui Passos Rocha é editor de conteúdos digitais na Fundação Francisco Manuel dos Santos e aluno da pós-graduação em Visualização de Informação, na Universidade Nova. Estudou também ciência política (no Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Lisboa) e Ciências da Comunicação, na Universidade do Minho.