O poder da vírgula (1) - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
O poder da vírgula (1)

Do Brasil, onde o asseio no uso da língua é discutido vivamente na imprensa, chegam-nos colectâneas de artigos sobre questões de gramática e norma. Em Mal Comportadas Línguas, de Sírio Possenti (Criar Edições, Curitiba, 2000), o autor revela o excesso de zelo na correcção de um cartaz político: o texto do cartaz não tinha pontuação e a revista Veja chamou o (célebre) professor Pasquale para o pontuar, assim:

CHEGA DE BATE-BOCA!

CHEGA DE INSEGURANÇA!

GOVERNADOR COVAS,

VAMOS SALVAR SÃO PAULO!

Mas Possenti propõe outra pontuação, que muda por completo o sentido do texto:

CHEGA DE BATE-BOA,

CHEGA DE INSEGURANÇA,

GOVERNADOR COVAS!

VAMOS SALVAR SÃO PAULO!

Todos conhecemos uma ou outra anedota fundada na relação entre a alteração de pontuação e a metamorfose do texto e, no entanto, as vírgulas e os pontos ainda são vistos como acessórios da escrita. A simples consulta das regras da pontuação não contribui para anular este (mau) juízo.

Veja-se o caso da vírgula. A vírgula emprega-se para apartar um adverbial, um aposto ou um vocativo dos constituintes essenciais da frase (sujeito, verbo, complemento); serve também para segmentar vários elementos de uma enumeração ou para marcar uma fronteira entre a oração principal e a oração subordinada (entre outras funções semelhantes). Pode parecer que a vírgula nada mais faz no texto do que facilitar a leitura e que a falta de uma ou outra não deverá incomodar os leitores de boa vontade.

Pura aparência.

Por exemplo, em «Os dois deputados independentes (…) desviaram verbas das subvenções atribuídas pela Assembleia Legislativa da Madeira (ALM) para fins particulares.» (Público, 2/5/08) a ausência de vírgula - antes de «atribuídas» e depois do parêntesis - isenta os deputados, pois faz de «fins particulares» uma característica própria de "subvenções".

Agora pense-se no estrago que uma vírgula a menos (ou a mais) pode fazer num qualquer texto normativo...

Cf.  5 bons motivos (e 10 regras) para usar corretamente a vírgula 

N.E. – O não uso da obrigatória vírgula no vocativo – seja quando ela representa um chamamento, um apelo, uma saudação ou uma evocação* – generalizou-se praticamente no espaço público português, dos órgãos de comunicação social à publicidade .Por exemplo, aquiaquiaquiaqui ou aqui. Uma incorreção várias vezes esclarecida no Ciberdúvidas – vide Textos Relacionados, ao lado –, assim como noutros espaços à volta da língua portuguesa. 

Cf. entre outros registos: Vocativo + Vocativo: uma unidade à parte + O uso da vírgula no vocativoVocativo – uma questão de vírgula + A vírgula do vocativo – Exemplos de vocativo no início, no meio e no fim da frase + 5 bons motivos (e 10 regras) para usar corretamente a vírgula.

* Por regra, no discurso direto e, geralmente, em frases imperativas, interrogativas ou exclamativas.

Fonte

Artigo publicado no semanário Sol de 19 de Julho de 2008, na coluna Ver como Se Diz.

Sobre a autora

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa