Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Isso é mesmo português?*
Isso é mesmo português?*

Os usos do português de Angola encharcados também de termos e palavras inglesas (mas também francesas) abordados nesta crónica do autor, na sua coluna, "Professor Ferrão" (in semanário "Nova Gazeta", de 1 de maio de 2014).

 

 

O mais intrigante, ou engraçado, é que nenhum dos rapazes chegou a ir a um centro de línguas para aprender inglês ou francês, mas impressiona a forma como falam e o excesso de palavras inglesas que têm no seu vocabulário.

Não é difícil encontrar resposta para esse ‘bilinguismo’, pois temos os media e as influências dos filmes e telenovelas brasileiras, para não falar das músicas americanas amplamente difundidas nas (...) rádios e televisões [angolanas].

Quando perguntei ao meu sobrinho o que iria vestir no 11.º aniversário da escola, disse-me que ainda não tinha pensado nisso, mas provavelmente, uma ‘t-shirt’ ou, se fizesse frio, um ‘pullover’, pois estava cansado de sofrer ‘bullying’1 por parte dos colegas, simplesmente porque ele gostava de usar ‘shorts’ e era gordinho.

A irmã mais nova, que não se quis deixar atrás, disse-me que iria a uma ‘rave’, para a qual já tinha preparado umas ‘leggings’ e uns ‘collants’. «Quero mostrar um novo ‘look’», avançou.

E o que dizer da namorada do meu irmão mais novo? Esta queria aparecer que nem uma ‘pop star’, toda cheia de ‘swag’, que nem a Madonna. Por isso, foi a um ‘shopping’, em Belas, e comprou uns novos ‘grifes’. «Não te quero ver nessas roupas que depois me envergonham. Evita collants xuxuados2 e blusas muito decotadas se quiseres sair comigo, ‘OK´?», advertiu o meu irmão caçula, ciumento.

A minha prima olhava para a rapaziada toda empolgada e, de repente, teve um ‘déjà-vu’ e achava que o meu sobrinho já se tinha vestido daquela forma. «Não foi a semana passada que me pediste para ires ao ‘club’», pergunta admirada. “Sim. Tu é que me disseste que o DJ’ tocou a festa toda usando apenas o ‘mouse’ do computador!”, exclamou.

Não tinha sido o rapaz, mas sim o colega viciado na ‘internet’ e que, segundo o meu sobrinho, «não fazia mais nada senão pesquisar ‘sites’ de adultos». «Só por isso é que eu troquei o meu ‘e-mail’», justificou.

Nem sempre é fácil encontrar a tradução de palavras do francês e do inglês. Mas se quisermos, se tivermos vontade, nalguns casos, é possível usarmos os equivalentes em português.

 

T-shirt (do inglês, camisola que tem a forma de um T)

Pullover (do inglês, casaco)

Bullying (do inglês)

Shorts (do inglês, calções curtos)

Rave’ (do inglês, festa)

Leggings (do inglês, calças justas de mulher) e uns ‘collants’ (do francês, meias-calças)

Look (do inglês, aparência ou estilo)

Pop star (do, inglês, estrela do pop)

Swag (do inglês, estilo)

Shopping (do inglês, loja, centro comercial)

Grifes (do francês, roupas de luxo).

OK (do inglês, entendido)

Déjà-vu (do francês, sensação de ter vivido uma situação actual no passado)

Club  (do inglês, discoteca, já com grafia aportuguesada: clube.)

DJ (do inglês, Disco-Jóquei)

Mouse (do inglês, rato)

Internet

Sites (do inglês, sítio)

Email (do inglês, correio electrónico)

 

1 Consultar http://ciberduvidas.pt/idioma.php?rid=1247

2 Em referência a roupa, diz-se da que está demasiado apertada ou excessivamente colada ao corpo. Sobre a expressão  «collants xuxuados», leia-se a notícia "Collant xuxuado continua a escandalizar sociedade angolana", publicada no sítio AngoNotícias.

 

  1. Outros textos do autor

 

Fonte

in semanário Nova Gazeta, de Luanda, publicado no dia 1 de maio de 2014 na coluna do autor, Professor Ferrão. Manteve-se a grafia anterior ao Acordo Ortográfico, seguida ainda em Angola.

Sobre o autor

Edno Pimentel é professor do ensino secundário em Luanda e assina no jornal Nova Gazeta a coluna Professor Ferrão sobre os usos da língua portuguesa em Angola.