Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Angola
Questões relativas ao Acordo Ortográfico.
Imagem de destaque do artigo
Por Wa-Zani

Artigo de opinião publicado no Jornal de Angola de 14/02/2017 em que o autor, sob pseudónimo, considera positivas as mudanças propostas no documento "Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa" apresentado pela Academia das Ciências de Lisboa, como «uma boa proposta de trabalho» para o estabelecimento de um calendário de trabalho no âmbito do Instituto Internacional da Língua Portuguesa.

Imagem de destaque do artigo

Conforme um parecer elaborado por altura do Conselho Extraordinário de Ministros da CPLP, realizado em Fevereiro de 2012, as reservas que até à data levaram Angola a ser o único país de língua oficial portuguesa a não ratificar o Acordo Ortográfico decorrem sobretudo de quatro «entraves»: discordâncias quanto à fixação das palavras originárias das suas línguas nacionais, assim como em relação a  outras opções, qualificadas de «lapsos» que se pretendem «retificados»; os encargos resultantes da sua aplicação no sistema de ensino do país; e «a dificuldade em formar professores e estudantes» nas novas regras ortográficas.

[Texto que completa a entrevista que o autor fez à linguista Teresa Camacha Costa, publicada no semanário luandense Nova Gazeta do dia 23 de julho aqui disponível.]

Imagem de destaque do artigo
Responsável do Departamento de Língua Portuguesa
do Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda

Se não ratificar o Acordo Ortográfico, Angola vai ficar como que «numa ilha – perdida», considera a linguista Teresa Camacha Costa1, responsável do Departamento de Língua Portuguesa do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) de Luanda, defendendo, nesta entrevista ao jornalista Edno Pimentel, publicada no semanário Nova Gazeta do dia 23 de julho de 2015, a sua «ratificação imediata e a criação de um português angolano». Mas, ao mesmo tempo, muito crítica em relação ao seu ensino em Angola: «Só quem é formado na área tem habilitações para ensinar. Não basta falar. Por isso é que vemos muitos estudantes com tantas debilidades [no domínio do português]. Esses professores sem a formação específica mutilam os estudantes.»