Acordo ortográfico talvez sim - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Acordo ortográfico talvez sim
Acordo ortográfico talvez sim

texto descritivo da imagem

Ouro Preto (em Minas Gerais, Brasil) até poderia ser o cenário ideal para falarmos do assunto no fundo, a sede da primeira grande conspiração contra o domínio português e o palco onde foram expostos os restos mortais do supliciado Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, é uma cidade que mantém a memória desse cruzamento entre Portugal e o Brasil. Foi aí que decorreu mais um Fórum das Letras, e que contou com participações dos vários mundos da Língua Portuguesa, chegados de Portugal, do Brasil e de África. Em várias das mesas e debates que compuseram o encontro o tema (que não fazia parte da lista de assuntos para discussão) aparecia com a mesma volatilidade com que se escondia: deve, ou não, assinar-se um Acordo Ortográfico que unifique a grafia da Língua Portuguesa?

O debate sobre o assunto corre a várias velocidades e a ritmos diferentes. Geralmente, como tive oportunidade de referir num encontro no Rio de Janeiro, quando não há mais nada para discutir, discute-se o Acordo Ortográfico. Não é um assunto de primeira grandeza; mas é um elo diplomático e político no desconcerto linguístico.

A primeira sensação, vivida por escritores brasileiros ou portugueses tem a ver com a sensação, iniludível, de uma perda afectiva — o trema, as consoantes mudas, os acentos nas paroxítonas, o fim do acento agudo nos ditongos abertos, três novas consoantes adoptadas, mais um certo número de casos que mudarão a grafia aqui e ali.

Se no caso brasileiro só 0,45% das palavras mudarão de ortografia, o caso português acrescenta um pouco mais menos de 3%, suponho. Diante dessa baixa percentagem de mudanças, qualquer posição soará como insignificante. Os políticos assumem que a Língua Portuguesa ficará "mais forte" e que essa unificação levará a uma maior credibilização no domínio internacional. Talvez seja um argumento pífio, mas convém desdramatizar: o essencial do português de Portugal e do português do Brasil não mudará substancialmente. Continuaremos a dizer autocarro quando os brasileiros escrevem e dizem ônibus, manteremos talho onde no Brasil se usa açougue. A Língua Portuguesa não sofrerá com isso. Os onze ou doze milhões de falantes europeus, os cento e oitenta milhões da América, e os cerca de vinte milhões de África terão, portanto, uma grafia idêntica. Passaremos a escrever ação em vez de acção. Os brasileiros deixarão de escrever acadêmico1 e tirarão o trema a tranqüilo.

Perder-se-á muito? Ganharemos em comunicabilidade? É legítima essa mudança? Ou seja pode um grupo de linguistas, iluminados ou não (geralmente tenho dúvidas), decretar essa mudança?

Acontece que nós não somos donos da nossa língua. Ela é mais falada fora das nossas fronteiras do que em Portugal. Acontece que a maior parte das inovações, rasgos de originalidade e de criatividade que têm sido acrescentados à nossa Língua, têm chegado de fora — e do Brasil mais do que de outro lugar.

1 N. E.: Não é verdade que na variedade brasileira se deixe de empregar o acento circunflexo para indicar vogal tónica fechada antes de consoante nasal (m e n). No Brasil, continuarão a estar correctas grafias como fenômeno, fônico, acadêmico, ingênuo. Os nossos agradecimentos a D´Silvas Filho, que nos permitiu observar este aspecto.

Fonte

Artigo publicado no Jornal de Notícias, de 12 de Novembro de 2007

Sobre o autor

Francisco José Viegas (Pocinho, 1962) é um escritor, editor, jornalista e político português. Foi jornalista no Jornal de Letras, Expresso e Visão, diretor das revistas LER e Grande Reportagem, e diretor da Casa Fernando Pessoa, entre 2006 e 2008. Foi apresentador dos programas Escrita em Dia (SIC) e Ler Para Crer (RTP2). O seu romance policial Longe de Manaus (2005) valeu-lhe o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores. Das suas obras, destacam-se: Regresso por um Rio (1987), Um Crime Capital (2001) e O Colecionador de Erva (2013).