O Ciberdúvidas já tem 18 anos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O Ciberdúvidas já tem 18 anos
O Ciberdúvidas já tem 18 anos
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 1K

E eis que, depois de incontáveis testes de sobrevivência e crises de crescimento, o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa alcança os 18 anos. A chegada, por assim dizer, à maioridade muito deve aos nossos consulentes, com os quais travamos um diálogo constante e frutuoso há quase duas décadas. O resultado é um vasto arquivo – cerca de 35 000 respostas e mais de 3000 artigos de divulgação e debate –, que constitui hoje um extenso repositório representativo do que os falantes do português (língua materna ou não) pensam e querem saber ou discutir a respeito do seu idioma. As dificuldades têm sido muitas, e disso mesmo damos conta num texto colocado na rubrica Notícias, que remete por sua vez para alguns registos colhidos* na imprensa portuguesa sobre os 18 anos deste espaço sobre a língua portuguesa, em toda a sua diversidade e particularidades nacionais e regionais.

O Ciberdúvidas já pode votar. E revela dúvidas frequentes e erros comuns + Há 18 anos que o Ciberdúvidas ensina o verbo "haver" + Ciberdúvidas celebra 18 anos sem dinheiro para bolo de aniversário + Parabéns Ciberdúvidas! + Parabéns pela maioridade, Ciberdúvidas! + 18 anos de Ciberdúvidas

 Dia de aniversário e, também, de nova atualização do consultório, que reúne dúvidas tão diversas como o público que nos acompanha: a sintaxe do verbo regressar e do advérbio previsivelmente; o significado de dresina e da expressão «levantar a garimpa»; o uso da locução «deitar os olhos» e de tanto como substantivo; e a boa formação de um aumentativo (promoçãozão).

Entretanto, a propósito de uso, norma e atualidade, uma breve observação sobre a escrita do prefixo anti-, que na comunicação social portuguesa ocorre sob formas nem sempre legítimas, como é o caso de "antisegurança": se a intenção for grafar conforme o novo Acordo Ortográfico (AO 90), deve escrever-se antissegurança, com dois ss (ver regras do hífen aqui). O hífen só se usa (incluindo os chamados «falsos prefixos»), quando a letra final de um prefixo e a que começa o segundo elemento forem iguais: anti-islamita, e não "antiislamita" (e, já que se fala de islamita, lembramos aqui a querela à volta da forma "islamista").

Regressamos com nova atualização de respostas e outros conteúdos na segunda-feira, dia 19 de janeiro.

 O programa Língua de Todos de sexta-feira, 16 de janeiro (às 13h30**, na RDP África; repetição em 17/01, às 9h10**), convida a professora Fernanda Cavacas, para dar o seu depoimento sobre a obra e a importância dos escritores Baltazar Lopes e Luandino Vieira. O Páginas de Português de domingo, 18/01, às 17h00, na Antena 2, entrevista Manuel Ferreiro, professor de Filologia da Universidade da Corunha (Galiza), sobre o Glossário da Poesia Medieval Galaico-Portuguesa (GLOSSA), um recurso elaborado pelo Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega (ILLA) da referida universidade.

** Hora oficial de Portugal continental, ficando também disponível via Internet, nos endereços de ambos os programas.

 Em 2015, a Ciberescola da Língua Portuguesa e os Cibercursos continuam a sua atividade de apoio à aprendizagem do português (língua materna e não materna), dando acesso a recursos didáticos gratuitos e promovendo cursos individuais para estudantes estrangeiros (Portuguese as a Foreign Language). Pormenores no Facebook e na rubrica Ensino.

A quantos reconhecem a relevância do serviço aqui prestado, gracioso e sem fins lucrativos, fica o apelo – e o agradecimento – SOS Ciberdúvidas.