Neologismo - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
Neologismo
Neologismo

Beijo pouco, falo menos ainda. 

Mas invento palavras 
Que traduzem a ternura mais funda 
E mais cotidiana. 
Inventei, por exemplo, o verbo teadorar. 
Intransitivo: 
Teadoro, Teodora.

Fonte

Poema inserto no livro  Belo Belo, in Bandeira – Antologia Poética (Livraria José Olympio Editora, 10ª edição, Rio de Janeiro, 1978).

Sobre o autor

Manuel Bandeira (Recife, 1886 – Rio de Janeiro, 1968), formado na área das Humanidades e Membro da Academia Brasileira das letras, foi crítico literário e de arte, tradutor, professor de literatura em colégios brasileiros e na Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, e escritor. Da sua obra literária fazem parte a poesia A Cinza das Horas (1917), Libertinagem (1930) e a prosa Guia de Ouro Preto (1938), Andorinha, Andorinha (1966).