Variação diacrónica - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Variação diacrónica

Eu ando no 11.º ano e, como ainda não percebi bem a definição de «variações diacrónicas», gostava que a equipa do Ciberdúvidas me pudesse ajudar, com uma breve definição.

Obrigado.

 

Filipe Sousa Estudante Bragança, Portugal 18K

1. A língua é um sistema em aberto e está sempre em elaboração. A língua não é um produto nem um instrumento, é uso. É falada por indivíduos de regiões, profissões e estratos sociais diferentes, situações diferentes — e épocas diferentes.

2. A linguística estruturalista europeia recorreu ao prefixo dia- (que significa ao «longo de», «através de») e produziu diferentes termos para designar estes tipos de variações:

— diatopia/variações diatópicas (em função das diferenças geográficas/regionais); 

— diastratia/variações diastráticas (em função dos estratos sociais);
— diafasia/variações diafásicas (em função da situação em que se encontram os interlocutores);
— diacronia/variações diacrónicas ( dia + kronos, «tempo»).

3. Variação diacrónica ou histórica

Porque é que nos custa tanto a ler um texto da época medieval? 

Dom Afonso Henriques falava o português que hoje falamos?

A razão de ser destas perguntas permite verificar que a língua portuguesa — e qualquer língua — apresenta diversas manifestações ao longo do tempo. Cabe à Linguística Histórica o estudo deste tipo de variação.

Estas mudanças nunca são bruscas, havendo geralmente um período de transição entre um estádio e outro.

As mudanças diacrónicas podem ocorrer:

— no som/pronúncia; 

— na flexão e na derivação;
— nos padrões de estruturação da frase;
— ao nível dos significados;
— pela introdução de novas palavras (neologismos e estrangeirismos).

Factores de variação:

 — internos à língua (pelo desaparecimento de oposições que não se revelem funcionais; pela prevalência do princípio da economia, que tende a eliminar redundâncias; pela introdução de novos elementos com a função de tornarem a comunicação clara/não ambígua); 

— externos à língua (relativos a mudanças políticas e sociais, por exemplo, a criação de fronteiras políticas que é cumulativa à criação de fronteiras linguísticas). 
Ana Martins