Trema, outra vez - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Trema, outra vez

Sou galego, e por isso escrevo na norma galego-portuguesa da AGAL, que mantém a ortografia comum luso-brasileira com algumas adaptações, em todo caso mínimas, que representam as peculiaridades da variante galega da língua portuguesa ou galego-portuguesa.

A AGAL decidiu optar polo uso do trema (¨), tal como fai o padrom brasileiro.

A minha pergunta é a seguinte: não seria preferível também para Portugal o uso do trema em palavras como freqüente, argüe (que evita a estranha "argúe"), tranqüilo, etc., uma vez que tanto para a aprendizagem da língua por parte de estrangeiros como para os próprios lusófonos (nom apenas portugueses, mas brasileiros, galegos e os correspondentes africanos, timorenses e asiáticos) seria pedagogicamente mais efectivo e didáctico o emprego desse sinal?

De outro modo, como sabe um estrageiro que o grupo que u de "frequente" ou de "sequela" nom se lêm como o de "questom" ou "aquel"? Ou que o grupo gê u de "linguiça" nom se lê como o de "guiar"?

José Manuel Outeiro G. Galiza, Espanha 3K

Tem razão o vizinho galego. O trema faz falta. O que é facto/fato é que os legisladores das normas que regem a língua portuguesa parece que têm aversão ao trema. Proibiram-no na norma em vigor em Portugal (excepto/exceto no respeito que demonstram nos vocábulos derivados de nomes estrangeiros…).

Ora o Brasil não aceitou esta proibição e continua a usar o trema nos grupos gu e qu, seguidos de e ou de i, quando o u se pronuncia. No entanto, este país já aprovou o novo acordo, e este proíbe o trema agora para todos os sete países signatários (com a mesma excepção/exceção acima indicada).

A minha opinião é que o trema devia ser facultativo: podendo usar-se em livros didácticos/didáticos (nomeadamente nos destinados aos primeiros graus do ensino ou aos estrangeiros).

Além dos termos, que pertinentemente aponta, cito mais: «saüdade», «proïbido», etc., onde o trema seria útil, para evitar confusões (há quem escreva erradamente «proíbido»…).

Veja também outras resposta sobre o mesmo temaO trema, de novo.

Ao seu dispor.

D´Silvas Filho