Ainda a abolição do trema - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda a abolição do trema

Hoje, 9/02/00, a Folha de São Paulo afirmou que não se usa mais trema, pois tal assunto foi decidido pelo Senado em 1995 e publicado no Diário Oficial. Infelizmente não tive acesso ao jornal, pois gostaria de aqui reproduzir o que foi publicado. Sei que realmente o assunto estava em tramitação, mas que nada está ainda oficializado. Inclusive, as modificações vão além do simples uso do trema. Não fosse assim, a Folha nem deveria mais acentuar os ditongos abertos.

Gostaria de obter um esclarecimento a respeito. Será que estou enganada?

Desde já, obrigada!

Berenice Vianna Ottoni Professora Belo Horizonte, Brasil 6K

O novo acordo ortográfico para a língua portuguesa (assinado em 1990 por sete países da lusofonia) aboliu definitivamente o trema na língua. Para palavras portuguesas, já não era usado em Portugal desde 1945. No Brasil, foi abolido em termos como saudade desde 1971, persistindo nos digramas gu e qu quando o u se pronuncia. O Vocabulário recente da Academia Brasileira continua a registar o trema nestes vocábulos.

O novo acordo ainda não entrou oficialmente em vigor na lusofonia, embora já tenha sido ratificado também pelo Brasil. O Artigo 2.º refere que é necessário um vocabulário comum (que ainda não foi publicado), e o Artigo 3.º indica que o acordo entrará em vigor após depositados os instrumentos de ratificação de todos os Estados (o que também ainda não foi feito).

O trema não faz grande falta na comunicação, de acordo com a experiência portuguesa de meio século. Seria, porém, útil em obras didácticas. Pessoalmente não entendo lá muito bem este horror ao trema entre os nossos legisladores, tanto mais que no novo acordo continua obrigatório em palavras derivadas eruditamente, como, por exemplo, mülleriano.

Ao seu dispor,

D´Silvas Filho