Toponímia da Índia e norma portuguesa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Toponímia da Índia e norma portuguesa

Gostaria de saber quem é a "entidade reguladora" da língua portuguesa; ou seja, quem decide o que é uma nova palavra e qual é a ortografia correcta.

Na realidade, a minha dúvida específica tem mais que ver com toponímia. Várias cidades indianas optaram, nos últimos anos, por reavivar os seus nomes originais e dispensar os nomes latinizados que lhes foram apostos pelos colonizadores europeus. Assim:
Bombaim tornou-se Mumbai em 1995
Madrasta tornou-se Chennai em 1996
Calcutá tornou-se Kolkata em 2000.

Porque é que, apesar dessa decisão, que acredito deve ser respeitada, em português continuamos a utilizar os nomes antigos? Quem pode determinar essa alteração? Posso simplesmente utilizá-los sem ser apontada por incorrecção?

Obrigada.

Elsa Perdigão Secretária Lisboa, Portugal 2K

A entidade "que em princípio tem estado incumbida de dar orientações sobre a língua" tem sido a Academia das Ciências de Lisboa (no Brasil é a Academia Brasileira de Letras). Acontece, porém, que, após muitos anos inoperante, a Academia portuguesa publicou um dicionário que é muito controverso nalgumas soluções adoptadas, e não tem conseguido resolver o problema de fazer nova publicação para eliminar gralhas gritantes. Perdeu por isso autoridade. Estamos presentemente entregues aos lexicógrafos. Alguns são conscienciosos, mas aparecem discrepâncias que desorientam.

Ciberdúvidas, com a sua diversidade de especialistas e o seu espírito de missão, sem interesse comercial, está também dando um contributo para esta orientação e para a protecção do património linguístico.  

No que se refere à toponímia, presentemente há tolerância na adopção da grafia original das respectivas comunidades. Não vejo qualquer inconveniente no facto de que se refira, da maneira que escreveu, aos topónimos que citou. Lembro só que, no caso de pretender ser entendida numa dada comunidade, é recomendável que, pelo menos, ponha entre parênteses o nome por que a localidade referida é ainda conhecida nessa comunidade [ex.: Kolkata (Calcutá), se estiver a escrever para leitores portugueses]. 

Ao seu dispor,

D´Silvas Filho
Tema: Uso e norma