Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Surgem...», ou «surge grande parte dos incêndios»?
+ «quando se faz fogueiras», ou «quando se fazem fogueiras»?

As minhas dúvidas são as seguintes:

1. Na frase «não se fazem queimadas no verão porque é a partir daqui que surgem grande parte dos incêndios», o verbo a negrito (surgir) está corretamente conjugado na 3.ª pessoa do plural, ou, pelo contrário, deve aparecer conjugado no singular (surge)?

2. Deve dizer-se «quando se faz fogueiras», ou «quando se fazem fogueiras»?

Grata desde já pela atenção dispensada.

Carla Vilaverde Portugal 3K

1.  O verbo não deve estar no plural, mas, sim, no singular. Na oração causal, o sujeito «grande parte» admite singular ou plural. Porém, uma vez que o sujeito está posposto ao verbo, este deve ir para o singular. Assim, a frase deverá ficar:«não se fazem queimadas no verão porque é a partir daqui que surge grande parte dos incêndios»;  no entanto, caso o sujeito estivesse na posição canónica, eram possíveis quer o singular quer o plural.

2.  Depende do caso. Se se desejar indeterminar o sujeito, dir-se-á: «quando se faz fogueiras...», pretendendo-se transmitir, «quando alguém faz fogueiras...». Mas se se tem o intuito de expressar: «quando são feitas fogueiras...», deve optar-se pela segunda frase, predominando a  voz passiva sintética, acompanhada do pronome -se.

N. E. (12/09/2016): Agradecemos ao consulente João de Brito uma observação enviada em 9/09/2016, segundo a qual, na chamada construção passiva sintética («quando se fazem fogueiras»), a forma se não tem estatuto pronominal e, portanto, deve ser classificada como partícula apassivante, de acordo a terminologia gramatical mais antiga. Gostaríamos de de precisar que, em Portugal, antes de vigorar o Dicionário Terminológico (DT) no estudo da gramática nos ensinos básico e secundário, a Nomenclatura Gramatical Portuguesa de 1966 fixava o termo «palavra apassivante», que se incluía no termo mais extenso «voz passiva com palavra apassivante» e se aplicava à designação da partícula em causa. Contudo, no Brasil, a Nomenclatura Gramatical Brasileira de 1959 atribui a se a categoria pronominal quando estabelece o termo «pronome apassivador». No DT, o se que ocorre na construção passiva tem também o estatuto de pronome:  «[Os pronomes pessoais] Podem ainda ocorrer como marcadores [...] de uma estratégia de passivização (valor passivo – ocorrendo exclusivamente na terceira pessoa) [...]. Exemplos: Dizem-se coisas estranhas neste país» (DT, B.3.2. Classe de palavras fechada/Pronome/Pronome Pessoal).

Filipe Carvalho
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Campos Linguísticos: Concordância