Siglas no plural - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Siglas no plural

– As siglas podem/devem escrever-se com s no "plural"? Ex.: as DREs, as ONGs
... ou as siglas não necessitam de plural?
– A aceitar-se este s final, deve haver algum sinal anteposto, seja ponto abreviativo ou apóstrofo, como começa a ser corrente encontrar-se? Ex.: 3R's ou CD's etc.
Trabalho num serviço que transcreve manuais escolares para braille e, num manual de Geografia, surgiu a expressão "política dos 3R's", que suscitou debate devido à sua representação em braille. Como professora de Português, entendi que: a) uma sigla não necessita de plural mas, a usar-se, b) nunca seria com apóstrofo anteposto, já que este significa supressão de vogal, o que não é o caso. No entanto, este apóstrofo começa a generalizar-se em registos diversos.
Vejo que concorda quanto ao plural, mas não se pronuncia directamente sobre a utilização do apóstrofo. Pode dar o seu entendimento?

Maria de Fátima Lopes Núcleo de Apoio à Deficiência Visual Coimbra, Portugal 13K

Confirmo que não é habitual pluralizar as siglas. O plural pode ser indicado pelo artigo (no caso das letras é costume duplicá-las para representar o plural: `política dos RR´). Eu escreveria, por exemplo `os CD-ROM´.
No entanto, como já escrevi anteriormente, não considero inexactidão condenável acrescentar o s: `ele tem CD-ROMs´ (mais do que um...). Não vem por isto mal à língua, tanto mais que o plural é habitual nos acrónimos e, frequentemente, há incerteza sobre se uma sigla se pode considerar já ou não um acrónimo. É uma questão de preceito tradicional, não de estrita norma ortográfica ou regra gramatical e, nestes casos, não costumo ser inflexível.
Quanto ao apóstrofo, tem razão. Em princípio, é utilizado para supressão de vogal antes de outra vogal e foi banido em muitas utilizações frequentes no passado. Não faz sentido usá-lo presentemente antes de s para pluralizar as siglas (o apóstrofo é definido como sinal de elisão...). Aberto que sou à inovação na língua, esta, porém, parece-me francamente desaconselhável.

Ao seu dispor,

D´Silvas Filho